Espanha · Europa · Madrid

Onde comer barato em Madrid?

Há muito lugares em que se pode comer barato em Madrid, principalmente na hora do almoço em que podemos tirar proveito do “Menu del Día”, muito comum na Espanha, e que por preço fixo, geralmente entre 10 e 20 euros por pessoa você tem direito a uma entrada, prato principal, sobremesa, água e vinho. Isso vale inclusive para as áreas turíticas. Abaixo deixo nossas recomendaçoes:

Mercado San Miguel

Esse mercado é parada obrigatória durante a viagem. É um tipo de Mercado Municipal Gourmet com tapas tipicamente espanholas como presuntos, azeitonas gigantes recheadas com marisco, tomate seco, mascarpone, frutos do mar, vinho vendido em taças, pintxos e montaditos.

Mas não é um mercado comum, é um ponto de encontro dos hypster madrilenos, um local comer e beber muito bem.

Calle Augusto Figueroa, 24, 28004 Madrid

 

Mercado de San Antón

Segue o mesmo estilo do Mercado de San Miguel a partir do 2º andar com várias ‘tiendas’com tapas e vinhos. Ótima pedida para um almoço rápido, gostoso e barato.

Churrería San Gines

Esse local é muito tradicional em Madrid e uma delícia para o fim de tarde. A especialidade são churros com chocolate, os típicos churros espanhóis fininhos e sem recheio acompanhados por uma cremosa xícara de chocolate quente. Imperdível!

 

Pasadizo de San Ginés, 5, Madrid

Cerveceria Cien Montaditos

Montaditos são mini sanduíches que os espanhóis adoram de tudo o que você pode imaginar: embutidos, queijo, fritada e até batata. É uma ótima pedida para um lanche rápido, cada um sai por volta de €1, e tem vários endereços pela cidade.

Calle de la Montera, 34, 28013 Madrid

 

El Sobrino de Botín

Esse é o restaurante mais antigo do mundo segundo o Guiness Book. Ele foi fundado em 1725 e nunca foi fechado! Já foi e ainda é frequentado por várias celebridades como Hemingway, Jacqueline Kennedy, Michael Douglas, Pedro Almodóvar, os reis espanhóis, Ricky Martin, Ronaldo e Cacá.

O destaque do lugar é o forno a lenha e os carros chefes são o leitão e o cordeiro assado.

Calle Cuchilleros, 17, 28005 Madrid, Espanha

 

Vineria Stop

É uma das tabernas mais antigas de Madrid fundada em 1929. O destaque é o presunto ibérico e os mais de 40 tipos de vinho vendidos por taça.

Calle de Hortaleza, 11, 28004 Madrid, Spain

 

Bar Lamiak

Ótimo lugar para um fim de noite, para um chop ou tinto de verano e uma boas ‘tapas espanholas’. Leia mais sobre a rua Cava Baja aqui.

Calle Cava Baja, 42, Madrid

 

  • Outras dicas:

– Hospedagem

Ficamos no Hostal Casa Bueno, super bem localizado, bem na Fuencarral com a Gran Vía e na cara da estação de metrô Gran Vía. A Fuencarral é uma peatonal e a principal ruas de compras da cidade. Lá você encontra Zara, Mac, H&M, Vans, Adidas, uma do lado da outra e é super central o que nos permitiu ir a pé a todos os lugares. O hotel é simples, mas super bom e com Wifi.

– Transporte

Madrid é muito bem servida por trens e muitas linhas de metrô. A linha 8 do metrô (Nuevos Ministerios/Aeropuerto) liga o aeroporto de Barajas ao centro de Madri. Há duas paradas em Barajas: uma no terminal T4, e outra que serve aos terminais T1, T2 e T3. Dessa estação Nuevos Ministérios será necessário fazer uma ou duas baldeações até chegar ao destino final. É super simples, basta ter um mapa do metrô em mãos. Veja o mapa completo do metrô aqui. Já na cidade, o metrô também te leva para todos os cantos.

Barcelona · Espanha · Europa

A Festa Mayor de Gràcia em Barcelona

Gràcia é um um bairro super charmoso e boêmio de Barcelona e que, por uma semana, todo o mes de Agosto, abriga uma das festas mais esperadas e famosas da cidade: A Festa Maior de Gràcia que acontece todo mês de Agosto, geralmente na segunda quinzena.

Trata-se de um festival organizado pelos moradores do bairro que passam o ano elaborando a decoraçao das principais ruas e praças do bairro.

Antes de ser incorporada à cidade de Barcelona, em 1897, Gràcia era uma vila e por isso carrega o charme em suas vielas estreitas e históricas.

A festa é super Internantenada com a tecnologia e além do vários cartazes espalhados pelo bairro, dá para consultar tudo pela Internet, como a localizaçao exata das ruas que estao decoradas, os dias e horários dos eventos e shows, etc. Existe até um aplicativo que pode ser descarregado no seu celular.

Mas a festa nao é só isso! Existe toda uma programaçao com vários shows, peças de teatro, oficinas para crianças ao longo de uma semana inteira, o dia inteiro. Em 2016, o festival está acontecendo esta semana de 15 a 21 de Agosto.

Cada rua tem escolhe um tema para decoraçao e a comida servida nas barriquinha também varia em cada uma delas, que vao das tradicionais tapas até sardinha assada! Cerveja nao falta em nenhuma delas!

Bairro de Gràcia, Barcelona

Estaçao Fontana do Metrô, Linha 3 (verde)

Barcelona · Espanha · Europa

Ermita de Santa Cecília em Montserrat, a montanha sagrada da Catalunha

Montserrat é a montanha mais importante e significativa de toda Catalunha e fica há cerca de 50 km de Barcelona, no município de Monostrol de Montserrat, na província de Bages.

 

Segunda uma lenda muito antiga, em uma de suas covas, a Santa Cova, foi encontrada a imagem de Nossa Senhora de Montserrat, a padroeira da Catalunha. Isso foi por volta do ano de 880, quando crianças viram por 4 sábados ininterruptos uma luz forte e uma melodia vindos da montanha.

 

O bispo ordenou entao uma visita na regiao na qual encontraram a cova e a Nossa Senhora, também conhecida como “La Moreneta” por causa do escurecimento do verniz da estátua encontrada ao longo dos anos.

 

O bispo queria levar a estátua para a cidade principal da província de Bages, Manresa, mas diz-se que a estátua fez-se tao pesada, que ele assim entendeu que ela deveria ali permanecer e ordenou a construçao de uma capela, que ainda existe e pode ser visitada. Aliás em Monteserrat há cerca de 15 capelas, mas muitas delas foram parcialmente destruídas pela Revoluçao Francesa, a Guerra Peninsular e a Guerra Civil Espanhola.

 

No ano de 945 foi construído o aí, o primeiro Monastério de Santa Cecília, com patrocínio do Conde de Barcelona, Suñer I, a pedido de sua esposa.

 

Em 1025, o bispo da cidade vizinha de Ripoll, perto dos Pirineus, enviou um grupo de monges para viver em uma das capelas de Montserrat, a de Santa Maria de Montserrat que foi totalmente reformada. O Monastério de Santa Maria começou a crescer e ganhar força, principalmente por causa dos peregrinos atraídos pela imagem da Nossa Senhora.

 

O Monastério de Santa Cecília começou a decair e em 1537, o Papa Julio II ordenou juntar os monges no Monastério de Santa Maria. O Monastério de Santa Cecília virou uma simples capela, onde vivia somente um padre e abrigo de peregrinos.

 

Entre 1811 e 1812, Montserrat converteu-se em símbolo da resistência contra a invasáo Napoleônica e por isso o general Suchet ordenou sua destruiçao. O Monastério foi incendiado e saqueado por tropas francesas, inclusive a Igreja de Santa Cecília.

 

De 1828-1903 a reforma interna da Igreja ficou a cargo do arquiteto Francesc de Paula Villar Lozano, mas sua facahada só foi reformada em 1928 foi totalmente reformado por um dos mais famosos arquitetos modernistas catalaos, Puig i Cadafalch – uma de suas obras mais conhecidas em Barcelona é a Casa Martí, onde fica o famoso restuarante “Els Quatre Gats“. A reinauguraçao da Igreja aconteceu em 30 de agosto de 1931.

 

 

Em 1992, o pintor irlandes, Sean Scully, abriu um atelier em Barcelona e passou a fazer constantes visitas à Montserrat. Em uma dessas visitas conheceu a Igreja de Santa Cecília e teve a idéia de pintá-la.

 

 

Sean criou vários painéis e vitrais para o recinto o que levou ao Museu do Monastério a conveter a Igreja no Instituto de Arte e Espiritualidade Sean Scully. Cada quadro é sua interpretaçao da religiosidade através das cores e formas geométricas características do seu trabalho.

 

-Na prática:

A entrada para a visita inclui um audio guia em vários idiomas (menos português) que conta toda a história do Monastério e dá acesso à Capela e à exposiçao das obras de Sean Scully. O número 21 do áudio guia é imperdível, é um pai nosso cantado em alemáo por um dos meninos do coro de Montserrat, o mais antigo da Europa!

 

-Como chegar: Santa Cecilia se encontra no quilômetro 5,4 da estrada BP-1103 que une a estrada A2 com o Monasterio de Montserrat por Can Maçana. Sao 5 minutos de carro do Monastério, nós fomos de carro e é muito fácil de encontrar, mas dá pra chegar de bicicleta ou caminhando também a partir do Monastério. Veja como chegar ao Monastério aqui.

-Dias e Horários: O instituto só abre no verao de 1º de Julho a 12 de Setembro das 10 às 14 e das 15 às 18. Nao abre às terças.

 

Instituto de Arte e Espiritualidade Sean Scully

Somente no verao 
Horario: de 10h a 14h y de 15h a 18h
Terças: Fechado

Adultos: 7€
Estudiantes, aposentados e grupos de no mínimo 20 pessoas: 6€
Crianças (de 8 a 16 anos): 4€

Espanha · Europa · Sevilha

Roteiro de 1 dia em Sevilha no sul da Espanha

Chegamos em Sevilha a partir de Lisboa em um ônibus noturno da Alsa, a única forma que encontramos de atravessar a fronteira sem precisar pagar a taxa de devolução do carro em outro país. Não havia trem e nem avião que conectassem as duas cidades, entao ônibus é a melhor opçao. São 6 horas de viagem das 22:00 às 5:45, pois a Espanha está uma hora na frente de Portugal. A viagem é bem tranquila e há uma parada no caminho. Comprei online do Brasil e imprimi as passagens em casa na hora. (Já fiz essa viagem de Lisboa a Sevilha duas vezes, uma com meu marido e outra junto com meus pais e é bem tranquilo mesmo).

Assim que chegamos em Sevilha ainda estava um pouco escuro e tudo fechado. Fomos para o nosso hotel que também ainda não estava aberto, mas ficava em uma viela super tranquila e charmosa. Ficamos lá sentados tomando vinho e comendo batatas Pringle! Uma recordaçao muito divertida da viagem.

Assim que o hotel abriu deixamos as coisas e fomos conhecer a cidade. Ficamos na Pensión San Benito Abad, muito boa, mas sem café da manhã, limpa e bonita. Fazia questão que nosso hotel em Sevilha fosse tipicamente árabe e com boa localização, leia-se perto do Centro Histórico. Então achei esse Riad (casa típica árabe com pátio no meio) com excelente custo benefício (as casas árabes sao muito fresquinhas apesar do calor escaldante do lado de fora!) e na cara do gol das principais atrações. Fizemos tudo a pé.

Começamos pela Catedral de Sevilha, que é uma das mais bonitas que já visitei, a maior da Espanha e a terceira maior do mundo!

A construção começou em 1400, em estilo gótico, sobre uma antiga mesquita. Duas características remetem à influência muçulmana, o Patio de los Naranjos, repleto de laranjeiras e a torre ‘La Giralda’ que lembra os minaretes do Marrocos. Cristóvão Colombo está sepultado nessa igreja.

E da segunda vez que fomos compramos o ingresso para entrar na Catedral e subir na Torre da Giralda e vale muuuito a pena. A Igreja é maravilhosa por dentro, toda decorada em ouro e as vistas da torre sao lindas!

Túmulo de Crstóvan Colombo

Para subir os mais de 100 metros da Giralda nao é tarefa fácil, mas vale todo o esforço quando você chega bem pertinho do Campanário e vê toda a cidade de lá de cima.

Em frente fica o Real Alcazá, um dos complexos palacianos mais visitados no mundo. Nós compramos os ingressos na hora, mas é possível comprar com antecedência online e agendar horário para a visita. A fila realmente é enorme, é que demos sorte de chegar bem cedo e entramos na hora.

O lugar é incrível e vale muito a visita. O conjunto é composto por vários edifícios de diferentes épocas e foi construído sobre um antigo assentamento romano. Hoje é usado como alojamento da família real ou outras personalidades que vão à cidade.

O seu aspecto atual se deu depois da conquista de Sevilha, em 713, pelos árabes; estes utilizaram os alcáceres como residência dos seus líderes a partir de 720. Em 884, a fortaleza contribuiu para evitar a invasão da cidade pelos vikings. Um dos palácios é da mesma idade de um dos palácios da Alhambra.

O interior é ricamente decorado com belos azulejos e tetos mudéjares tipicamente árabes.

O Palácio é formado por vários apartamentos reais, pátios, jardins e salões incríveis.

Daí percorremos todo o bairro de Santa Cruz que é formado por um emaranhado de ruazinhas labirínticas de pedras e é o centrinho nervoso da cidade, cheio de gente, lojinhas e restaurantes.

Continuamos caminhando pela cidade e nos perdendo nas suas ruazinhas medievais. É bem difícil memorizar os caminhos em Sevilha, pois as ruas são estreitas e emaranhadas e chegamos no Paseo de San Cristóbal que margeia o rio Guadalquivir e visitamos a Plaza de Toros.

Seguimos caminhando pelo calçadão, um dos lugares mais agradáveis da cidade, até a Torre del’Oro que foi parte das muralhas que protegiam a cidade.

Seguindo pela Avenida de la Constituición chega-se à Praça España e ao Parque de Maria Luisa, o lugar ideal para descansar depois de andar debaixo de um sol super forte! Sim! Sevilha é realmente muito quente e pegamos 43ºC em plena Primavera!

À noite nao resistimos e voltamos lá em outro passeio de carruagem que foi muito legal, pois agora a vista é outra, toda iluminada!

Almoçamos na Calle Recaredo, na Cervecería Mesquita.É uma ruazinha lotada de barzinhos de tapas, então fomos pulando de bar em bar experimentando as diversas tapas e vinhos.

 

À noite, jantamos no Restaurante El Pasaje, um restaurante sensacional, mas que tem que reservar porque está sempre lotado.Eles tem a parte do bar, nao exige reservas e ao lado o restauramte que tem pratos de chef por um preço excelente!

já tinha reservado um show de Flamenco no Tablao Los Gallos, que é a melhor e mais típica casa da Espanha, e que merece um post a parte.

 

Espanha · Europa · Granada

La Alhambra: Como comprar ingressos e o que visitar

A Alhambra é o “monumento” mais visitado da Europa. Eu sempre achei que fosse a Torre Eiffel ou o Big Ben, mas nao, aquele conjunto de palácios, jardins e fortaleza que formam uma verdadeira cidadela, dentro de outra cidade – a Alhambra fica dentro da cidade de Granada, no sul da Espanha – realmente rouba o coraçao das pessoas.

Essa cidadela era a residência oficial do rei e da corte do Reino de Nazari em Granada por volta do ano de 1238, embora já existisse desde o Império Romano. Nazari foi a última dinastia muçulmana a instalar-se no sul da Espanha e teve seu declínio na Guerra de Granada no século XII quando os reis católicos de Castilla o venceram e anexaram Granada à seu reino e passarm a viver ali. Está localizada mais especificamente na colina de Sabika, o ponto mais alto da cidade e está incrivelmente e totalmente integrada à natureza e ao seu entorno.

A visita à Alhambra é uma das primeiras coisas que devem ser planejadas quando decidir ir à Granada. Os ingressos esgotam muito rápido e o ideal é comprá-los com 3 meses de antecedência diretamente no site.

-Como comprar o ingresso online:

O bilhete geral (que engloba todos os jardins e palácios) cham-se Alhambra General e pode ser comprado aqui. Há várias opçoes de outros bilhetes no site se você quer visitar somente um ou outro palácio/ jardim específico ou fazer a visita à noite. Selecione Alhambra General e clique em Comprar entradas. Muita atençao, essa é a entrada que você precisa comprar se quiser ver tudo por lá, que inclua Generalife, Alcazaba, y Palacios Nazaríes.

Se você optar pelo ingresso que inclui o trem turístcio e transporte na cidade, nao esqueça de incluir depois os Palácios:

Se escolher com tour guiado dentro da Alhambra, sai um pouco mais caro, mas os Palácios já estao incluídos.

 

Selecione a data, o horário que você deseja visitar o parque e para o “Granada City Card” nao esqueça de incluir os Palacios Nazaríes:

Para o ingresso com tour, escolha o idioma da sua preferencia.

 

Agora selecione a quantidade de ingressos que você deseja e pague.

 

Note que o ticket te dá acesso a visitar o parque de manha (entre 8:30 e 14:00) ou de tarde (entre 14:00 e 20:00 horas). Dentro do período escolhido, virá impresso no seu ticket o horário que você poderá visitar os Palácios Nazaríes. Isso memso, eles têm hora marcada. Se você comprar o ticket com o tour guiado, clique no horário desejado da visita dos Palácios.

No nosso caso, quando compramos, só havia o horário das 16:00 disponível.  Chegamos no parque por volta das 14:00, porque escolhemos a visita da tarde e passeamos por lá até o horário de visitar os palácios. Tenha em conta que a distância da porta de entrada até o Palácio é de cerca de 15 minutos, entao preste sempre atençao em que ponto do parque está e sua distancia em relacçao aos Palácios para nao perder a vez de entrar.

Os palácios sao o ponto alto da visita e o ideal é terminar a visita por lá. Para nós, começar a visita às 14:00 foi suficiente para conhecer todo o parque, seguindo o roteiro do mapinha que eles entregam na entrada, tirar fotos e até fazer uma pausa no bar do Hotel America Granada .

-Como chegar:

Para chegar até lá pegamos o transporte circular da cidade que passa pelos principais pontos turísticos da cidade e vale por dois dias. Partimos da Plaza Nuova onde compramos a passagem e descemos na porta da Alhambra.

Trocamos o voucher, comprado pela Internet, na bilheteria que fica ao lado do portão de entrada. No início da visita retiramos o mapa do Parque que mostra todo o trajeto a ser percorrido e também conta a história dos sítios.

-O que visitar:

A visita começa pelo Jardins de Generalife (baixo e alto) seguida, Palácio de Generalife.

Generalife é palácio de verão dos emires. Trata-se de uma vila entremeada por jardins, pátios, fontes e construções arquitetônicas incrível. Dá pra ver pela foto acima que ele fica “fora” da cidadela murada, mas ao mesmo tempo conecatada à ela. A variedade de flores e cores do jardim é deslumbrante e prepare-se para tirar milhares de fotos.

Seguimos para o Palácio de Carlos V, que foi erguido pelo Rei da Espanha, depois de uma visita ao complexo de Granada, em estilo romano com um grande pátio cercado de colunas. Ele destoa completamente do estilo dos outros palácios.

Descemos então até a Fortaleza de Alcazaba que é a parte mais antiga da Alhambra com vista para a cidade antiga e a Sierra Nevada.

Como ainda faltava tempo para a entrada nos Palácios Nasrid fomos até o bar do Hotel America Granada tomar um ‘tinto de verano’ e provar a famosa pastilla árabe, uma massa folhada finíssima recheada com frango, maçãs, canela e amêndoas – uma delícia!!

Em seguida chegou nosso horário para a visita. Pegamos uma pequena fila e entramos nos Palácios Nasrid, a residência dos reis de Granada, construídos no século XIII. Três palácios formam o complexo: Mexuar, Comares ou Palácio Yusuf I e Palácio de los Leones. Os pátios, jardins, paredes e adornos refletem aspectos da cultura Persa e Muçulmana. Lagos e jardins contornam os castelos assim como as fontes de mármore.

O Palácio de Comares ou Palácio Yusuf I é o palácio principal do complexo onde ficava a sala do trono e residência oficial do Sultao.

O Maxuar era a sala de justiça e de audiências. Tinha um quarto escondido onde o Sultao escutava sem ser visto. Um destaque desse palácio é o pátio de arraynes.

Com a contruçao do Palácio de los Leones, feita por Mohamed V quando sucedeu seu pai Yusef I, o complexo atingiu seu apogeu de beleza.

Sem sombra de dúvida, uma visita Alhambra é o ponto forte de uma viagem ao sul da Espanha e te faz realmente sentir-se uma pessoa privilegiada por ter a oportunidade de vivenciar aquilo tudo e “viver” a história de milhares de anos atrás.