Espanha · Europa · Granada

Roteiro de 2 dias em Granada (com restaurantes)

Chegamos em Granada de trem a partir de Sevilha em cerca de 3 horas. Ficamos na Pension Suecia, que fica em uma vilinha toda florida e bem tranquila bem no centro histórico da cidade.

A Pousada é simples, mas linda, toda florida e com uma varanda incrível com vista para a Alhambra onde é servido o café da manhã, que é mais do que maravilhoso e completíssimo!!

O atendimento é nota 10 também, é uma pousada familiar e todos sao muito atenciosos.

Chegamos de manhã e já aproveitamos para começar a conhecer a cidade. Descemos a rua Molinos e Pavanera até chegar à Catedral de Granada.

As lojinhas perto da Catedral são uma atração à parte. Você vai encontar de tudo por lá, desde armaduras, facas, espadas até muitos, mas muitos tipos de chás naturais, de tudo o que você possa imaginar, além de frutas secas, geleias e temperos.

A influência árabe aqui já é muito forte e isso se reflete tanto na gastronomia quanto na arquitetura.

As casas de chá são outro reflexo da cultura árabe e sao um ponto turístico indispensável, principalmenet para quem adora chás… ou nao… simplemente vá! O melhor lugar para conhecer uma é nas Calles Caldedería Vieja e Nueva que também concentram uma grande variedade de tendas e lojinhas árabes. A decoração é toda árabe com azulejos, mesas e cadeiras de ferro, bulinhos e bandejas de prata e muita comida árabe.

Há várias, escolha a que mais gostar e desfrute, pesquisei uma seleçao no Google aqui. Escolhemos a Tetería Alibaba para a hora do almoço poque ficava em uma pracinha, a Plazeta San Gonzalo, na porta da Igreja de mesmo nome, em um lugar bem tranquilo e protegido dos turistas.

Fazia calor e queríamos sentar do lado de fora e tivemos a sorte de ter música ao vivo bem em frente!

Além dos pratos árabes delicioso (e preços bons) como kafta, tabule e homus também pedimos uma ‘cachimba’ que é o nosso arguile. A seleção de chás e doces árabes também é ótima.

Nos perdemos pelas ruazinhas até a Plaza Nuova que é a principal da cidade. Lá pegamos o ônibus de turismo (que custa 8 Euros!) para irmos para os lugares mais distantes como o Mirante de San Nicolau.

Foi bem legal fazer um tour pela cidade toda: as Universidades (30% da população e Granada é de universitários), a orla do rio, as várias pracinhas, e o ponto alto do passeio o bairro de Albaicin, outra parada obrigatória.

Albaicín é um dos bairros mais antigos da cidade, com casinhas brancas pintadas de cal (como as casinhas gregas), o mirante de San Nicolau, com uma das vistas mais bonitas da cidade e as Cuevas que são restaurantes + shows de Flamenco ideias para serem visitados no fim da tarde início da noite. Uma das mais famosas é a Cueva Canastera que custa 22 Euros (Espetáculo + Consumação) e o show começa às 21:45. Para quem quiser visitar o bairro só à noite ele também buscam no hotel e (Transporte + Consumação + Show) sai por volta de 28 Euros. Reseva somente pelo e-mail (info@marialacanastera.com). Nós nao fomos, mas é bastante recomendado por lá.

De lá paramos na Alhambra já que os ingressos tem hora marcada. Falo mais sobre isso no próximo post.

Já no fim do día, pegamos novamente o ônibuzinho de turismo, que passa a cada 30 minutos na saída da Alhambra, e descemos novamente até a Plaza Nuova, que é o ponto de referência da cidade.

Fuja dos restaurantes pega-turista da praça e pegue a rua Elvira, à esquerda da praça, onde estão os melhores barzinhos, restaurantes e casas de chá da cidade e depois à esquerda na rua Almireceros. Vá direto ao melhor bar de Granada o Bodegas Castañedas e me agradeça depois! Mas não se confunda porque o bar é tão famosos que dois outros bares abriram com o mesmo nome do lado! O verdadeiro Castañedas fica na Calle Almireceros 1-3.

É o típico bar de tapas Espanhol, eu adoro os bares/ pubs da Europa em que você vê desde o avô até o neto, lotado!

Para os pratos você pode sentar nas poucas mesas da casa, para tapas e vinhos/ cerveja é no balcão ou encostado nos barris de vinho.

Na Espanha a maioria dos bares tem poucas cadeiras porque os espanhóis entram, tomam uma taça de vinho, comem uma tapa e vão embora ou vão para outro bar.

Aqui você vai comer as melhores azeitonas da sua vida. Aliás a Espanha tem as melhores azeitonas marinadas em um tempero especial que só existe lá! E tem mais: Granada é a cidade das tapas. Você não precisa comprar nada para comer, basta pedir uma bebida e pronto, tapas, outra bebida, outra tapa.

E no Castañedas as tapas são enormes e maravilhosas e o vinho da casa ótimo. A cada taça recebíamos: azeitonas, embutidos, paella sevillana (de frutos do mar), paella com macarrão (muito comum por lá, usam o macarrão ao invés do arroz – muito gostosa), linguiças diversas (tipo salame) e outros. Fomos lá três vezes de tão bom – comida e ambiente se completam!

No dia seguinte, para passar o tempo até o horário do nosso vôo de volta à Barcelona, fomos em outro muito bom, mas com ambiente mais moderninho, o Restaurante Carmela onde as tapas também eram maravilhosas: carne assada, batata recheada com cream cheese e bacon, frango empanado com molho picante – e, tudo de graça!

Basta pedir uma taça de vinho ou cerveja! Além disso, o restaurante tem mesinhas fora e fica em uma pracinha super tranquila e acolhedora. Vale muito a pena!

Espanha · Europa · Sevilha

Los Gallos | Show de Flamenco em Sevilha

Eu queria muito ver uma apresentação de Flamenco na Espanha então comecei a pesquisar quais seriam as melhores opções. Uma coisa eu tinha certeza, queria uma apresentação ‘raíz’, sem showzinhos turísticos, e queria assistir no berço do Flamenco – Sevilha. Pesquisei em vários blogs e guias e todos só recomendavam shows mega turísticos em Barcelona e não era o que eu queria.

Gosto de fazer as coisas nos lugares originais: se é pra comer Paella, que seja em Velncia, se é para comer tapas que seja em Madrid ou Granada, e se é para assistir um Tango que seja em Buenos Aires e se é para assistir um show de Flamenco que seja em Sevilha!

Até que um dia, conversando com um amigo que morou 6 anos na Espanha, descobri a casa Los Gallos, que é a mais tradicional casa de Flamenco de Sevilha. Entrei no Tripadvisor e só haviam comentários positivos: ‘o melhor show da Espanha’, ‘melhor experiência da vida’ etc, dei uma olhada nas fotos e era tudo o que eu queria! Na hora já entrei no site para comprar os ingressos. Comprei online do Brasil.

O meu maior medo, além das pegadinhas para turistas, era que os dançarinos não dançassem tão bem, ou que o show fosse insosso, mas Los Gallos foi exatamente o contrário.

Há duas opções de horários – um às 19h e outro às 22h. Escolhemos o mais tarde porque queríamos ter tempo para passear, descansar à tarde, jantar e depois assistir o show. Não esqueça que na Europa os restaurantes fecham super cedo (para padrões brasileiros) então é preciso programar-se.

Assim que chegamos o primeiro show estava terminando e ficamos esperando na pracinha em que a casa fica. Logo fomos convidados a entrar (basta apresentar o voucher impresso em casa ou o código da reserva) que inclui uma bebida.

Conseguimos lugar na primeira fila e ficamos super perto dos bailarinos. O lugar é pequeno e intimista e os músicos, dançarinos e cantores são excelentes. O tempo passou voando e ficaríamos mais tempo ali. Não queríamos ir embora. Recomendadíssimo!

Espanha · Europa · Madrid

Madrid | Noite madrileña e bairro La Latina

La Latina é o endereço certo para uma autêntica noite madrileña e um dos seus rituais mais tradicionais: o tapeo. Madrid, na verdade, é uma cidade para ser vivida, ‘salir de marcha’, como os espanhóis dizem (ir para a balada) ou para ‘tapear’. A noite madrilena é famosa internacionalmente e além dos bares de tapas há muitas baladas que começa lá pela 1 ou 2 horas da manhã até às 5 ou 6 horas.

Mercado San Miguel

Nada mais gostoso do que parar em um dos muitos bares da cidade e pedir umas tapas (uma pequena porção) e um ‘tinto de verano’.

Lamiak
Mercado San Miguel

A origem das tapas remonta ao rei Afonso V que exigiu que os estabelecimentos servissem uma pequena porção de comida para amenizar os efeitos do álcool. Imagina como devia ser a bebedeira!

E se você acha que já passou da idade, não se acanhe, pois na Europa você vai ver um senhor de 80 anos ao lado de uma criança de 10, todos dividindo o mesmo espaço no bar. E isso é uma das coisas que eu mais admiro nos Europeus, eles sabem viver, sabem aproveitar a vida como ninguém e não há idade para parar.

Lamiak

Então se você já entrou no clima, basta descer na estação de metrô La Latina e procurar a rua Cava Baja.

Rua Cava Baja

É uma rua cheia de bares de tapas um do lado do outro, um especializado em presunto ibérico, outro em patatas bravas (batatas fritas com molho de tomate picante), outro em queijos, tudo em forma de tapas, claro, ou pintxos, que são espetinhos que eles montam com azeitonas, anchovas, presunto, boquerones (que são anchovas sem sal – uma delícia), frutos do mar entre outro.

Analise o lugar, dê uma olhada no pessoal e se gostar, entre. Passe algum tempo lá e depois vá para outro bar. O tapeo perfeito consite em repetir esse ritual até o sol raiar. Essa é a noite de Madrid!

A noite que fomos era uma terça-feira então os lugares não estavam ultra lotados como costuma ficar e alguns já estavam fechados, chegamos por volta das 22h. Então entramos no mais cheio e que ainda estava aberto, o Lamiak, e depois descobrimos que esse é o point de Madrid, um dos bares mais descolados e procurado pelos espanhóis antenados. Aí, é só ir no balcão e fazer o pedido: tapas e tinto de verano!

Lamiak

De lá tentamos entrar em outros bares, mas já estava quase tudo fechado, mas tem diversas opções como: Posada del León, especializada em croquetes e queijos, o Orixe, especializado em tapas de frutos do mar e a famosíssima Casa Luca, que dizem ter as melhores tapas da rua!

Stop Madrid

Outras opções de bares para tapear fora do La Latina são o Stop, uma das tabernas mais antigas de Madrid fundada em 1929 especializada em presunto ibérico e o Mercado de San Miguel que é imperdível!! Leia mais dicas de onde comer em Madrid neste post aqui.

Mercado San Miguel
Espanha · Europa · Madrid

Madrid | Estádio Santiago Bernabeu, compras e tapas!

Nesse dia acordamos cedo e fomos visitar a parte ‘nobre’ de Madrid, o Bairro de Salamanca.

O bairro é um ponto turístico imperdível na Capital Madrileña e é conhecido pela “Milha de Ouro” que abriga maiores marcas de moda, decoração e joalharia.

Subimos o famoso Paseo de la Castellana e chegamos às principais ruas de compras de luxo de Madrid: as ruas Serrano, Ortega y Gasset, Velázquez, Lagasca, Ayala ou Claudio Coello.

Várias marcas internacionais como Bulgari, Cartier, Tiffany, Manolo Blahnik, John Galiano, Carolina Herrera, Armani, Missoni, Gucci, Dolce & Gabanna, . Louis Vuitton, LouboutinHermésmuitas marcas americanas como Tommy Hilfiger, DKNY e Marc Jacobs.

Na rua Goya estão as lojas mais acessíveis como Zara, El Corte Inglés, várias franchisings internacionais e muitas lojas made in Spain como a Lefties (outlet da Zara), Desigual e Uno de 50.

É também possível dar uma volta pelos arredores da rua Príncipe de Vergara, tanto no caso de pretender mobiliar a sua casa com peças antigas, como se estiver à procura de um mobiliário ou decoração de vanguarda.

De Janeiro a Março, no Inverno, e de Junho a Setembro a maioria dessas lojas entram em promoção, as famosas “rebajas” e os preços se tornam mais acessíveis.

Depois dessa caminhada todas passamos pela rua Juan Bravo e demos de cara com o Restaurante St. James que possui a fama de servir a melhor paella da cidade (estação de metrô Nuñez de Balboa). Infelizmente eles só abriam depois das 13:00 então continuamos o passeio e pegamos o metrô até a Estação Santiago Bernabeu. Se tiver a oportunidade, ele é muito bem comentado.

A 300 metros dessa estação fica o Estádio Santiago Bernabeu, o Estádio do Real Madrid.

O Tour custa €20 e acontece todos os dias das 10:00 às 19:00. Ele dá acesso a todo o Estádio que foi construído da década de 40 e é um dos melhores/ mais confortáveis lugares para se assitir futebol na Espanha.

Durante o tour você tem acesso à uma plataforma de observação ‘aérea’ do Estádio, a parte interior do estádio, o Museu do Real Madrid, o vestiário, o túnel de entrada dos jogadores, os bancos de reservas e a sala de imprensa.

Outra opção para visitar o Estádio é comprar ingressos para um dos jogos do Real Madrid (entre Agosto e Maio). O Estádio abre com 5 horas de antecedência ao início do jogo. Basta comprar no próprio site oficial do clube.

Na volta paramos para um almo-janta no Mercado San Antón que fica no bairro Chuecas bem pertinho do nosso hotel. O Mercado é super organizado em um prédio de 3 andares com corners vendendo peixes, verduras e as famosas tapas!

Como eu já disse sou apaixonada por esse estilo ‘tapas’ de comer. Sempre quero experimentar todas as novidades da culinárias local, somos verdadeiros desbravadores, e com as tapas consigo experimentar muito mais.

As tapas custam a partir € 1 e vão dos mais variados frutos do mar, polvo a galega, paella, patatas bravas (um dos meus preferidos – adoro!) às taças de vinho a partir de € 2,5. Os preços são ligeiramente menores que os do Mercado San Miguel que comentei aqui.

Fechamos o dia no Aeroporto de Barajas em um vôo para a Cidade do Porto em Portugal. Continue lendo aqui.

Espanha · Europa · Santiago de Compostela

Caminho de Santiago de Compostela (Caminho Português de carro)

Fizemos um bate e volta para Santiago de Compostela a partir da cidade do Porto. Alugamos um carro na Autoeuropa, sempre faço a reserva prévia do Brasil (porque sai muito mais barato fazer com antecedência), e permanecemos com o carro por 4 dias. Cruzamos Portugal de Norte a Sul, passando por Coimbra, Fátima, Sintra, Cais Cais e Lisboa que conto nesses posts aqui.

O caminho surgiu a partir da descoberta, no século IX, do túmulo do apóstolo São Tiago cujo lugar se tornou a cidade de Santiago de Compostela. Não demorou para que devotos de toda a Europa começassem a empreender longas viagens para chegar ao corpo do homem que foi discípulo de Jesus Cristo.

Ao longo das rotas de peregrinação foram construídos castelos, igrejas, ermidas, pontes, muralhas, mosteiros e até cidades inteiras. Tudo rodeado por paisagens deslumbrantes.

Existem muitos caminhos que levam até a cidade de Santiago de Compostela. A mais populares é o “Caminho Francês”, que tem início no interior da França e entra na Espanha e tem cerca de 800 km. Nós fizemos o Caminho Português que é o mais curto com cerca de 237 km e de carro.

A pé os peregrinos percorrem uma média de 30 km por dia, ou seja, este caminho levaria em média 10 dias para ser concluído contra 30 dias do Caminho Francês mais tradicional. A fronteira entre Portugal e Espanha é livre e não houve nenhum tipo de controle.

Inicialmente eu achei que a cidade seria bem pequena e nem planejei nada, pois achei que seria bem fácil encontrar a Catedral.

Ledo engano… a cidade é bem grande e o centro histórico é medieval, ou seja, só pode ser percorrido a pé com várias subidas e descidas.

Outra dificuldade é estacionar o carro porque a cidade é lotada. Mas tudo é compensado pelo visual da estrada que é bem bonito e pelo charme e energia da cidade. Logo na entrada você já começa a ver os peregrinos chegando e é só seguí-los para chegar à Catedral que é enorme e linda.

A Catedral realmente é o ponto alto da visita! Existe há somente 800 anos e é onde está o sepulcro do Apóstolo Tiago.

Segundo a tradição católica, o apóstolo Tiago difundiu o cristianismo na Península Ibérica por isso a construção da Catedral em 1075. O interior é todo decorado com ouro, assim como o sepulcro onde se pode fazer um pedido na estátua de ouro do Apóstolo com a mão sobre a estampa de uma vieira.

A concha da vieira é o símbolo do peregrino e é usada durante o caminho geralmente pendurada no pescoço, bicicleta ou na mochila. Ela significa proteção e busca de conhecimento e deve-se devolvê-la ao mar depois de completado o caminho. Assim você agradece pela proteção e diz que o conhecimento adquirido não é seu e sim de todos, e que você o disponibiliza a todos.

Depois de visitar a Catedral nos perdemos pelas ruazinhas charmosas da cidade, tirando foto de cada cantinho.

Visitamos a Universidade e passamos por vários café fofos e barzinhos. Afinal, nao se pode esquecer que Santiago de Compostela é uma cidade universitária também!

A cidade é realmente muito bonita e bastante turística, cheia de lojinhas de souvenirs e restaurantes charmosos. Mesmo para quem não percorreu o caminho a pé, vale muito a pena visitar a cidade. Mas o que tem para fazer lá?

Muito! Primeiro se você gosta de história, de cidadezinhas medievais, de visitar castelos, conventos e seus doces de ovos e todo aquele estilo de cidade europeia antiga, Santiago é um prato mais que cheio.

Além disso, Santiago de Compostela é a capital da Galícia, que não lembra dos gauleses Asterix, Obelix, Panoramix e companhia? A proximidade com o mar também resulta em pratos deliciosos e baratos de frutos do mar com temperos bem específicos da região como Polvo à Galega, incrível!

Além disso tudo, a carne da Galícia é a melhor da Espanha, nao deixe de provar um bom chuletón. Encontramos um restaurante delicioso com uma jardim todo florido e bem cuidado e cujas mesas ficavam instaladas sob árvores frondosas e muitas flores. Uma experiência inesquecível.