Alemanha · Europa · Munique

Marienplatz e passeio pelo Centro de Munique

Chegamos em Munique a partir de Viena e paramos na estação central (München Hbf) que fica a poucos passos da Marienplatz, a praça mais famosa de Munique.

Ficamos no Marc Hotel que é estrategicamente localizado entre a estação central e a praça, tudo super acessível a pé. Outra vantagem foi poder tomar café da manhã todos os dias não estação, que tinha com uma opção melhor do que a outra, nunca vi uma estaçao de trens assim, e com o melhor croissant de chocolate da Alemanha, comia um todos os dias!

Na nossa primeira manhã caminhamos até a Marienplatz, a praça central de Munique desde 1168! Ela foi batizada por causa da coluna Mariensäule que fica bem no centro da praça e que é uma homenagem ao fim da invasao sueca à Alemanha. Na Idade Média essa praça era dominada por mercados e torneios, já imaginou!?

Hoje as atraçoes principais sao a Neues Rathaus, ou a nova prefeitura e a Altes Rathaus, o prédio da antiga prefeitura, em estilo gótico e erguido em 1470!

Na sua torre, às 11h em ponto (e também às 17h) começa o espetáculo do Glockenspiel, o relógio que foi construído inspirado nos torneios que aconteciam ali na praça.

Tem camponês, tem cavaleiro, tem rei e vários outros personagens da época. A apresentação de bonecos de madeira é embalada pela música de 43 sinos do carrilhão.

O espetáculo dura 8 minutos e a praça lota de turistas. Vários restaurantes tem suas mesas voltadas para o relógio em frente para que seus clientes possam assistir ao show. Pegamos um dessas mesinhas, tomamos uma cerveja e gravamos o número todo. A dança representa a primeira, realizada em 1517, para animar os cidadãos ameaçados pela peste.

Logo atrás da Neues Rathaus está a Frauenkirche (Catedral de Nossa Senhora Bendita), construída em estilo gótico e famosa pelos domos sobre as torres. A igreja é uma das maiores estruturas góticas do Sul da Alemanha.

A prefeitura proibiu a construção de prédios com mais de 100m de altura nas proximidades da ingreja e é possível subir em sua torre e ter uma vista panorâmica da cidade.

Um pouco mais para frente está o Viktualienmarkt (Viktualienmarkt 3, 80331 München, Alemania) um misto de Biergarten com mercado de rua. É o local ideal para começar a se aventurar nas comidas típicas.

Lá há uma enorme quantidade de barracas vendendo queijos, pimentas, salsichas, pães, flores além de uma grande variedades de restaurantes e bares com vários tipos de cerveja e comida.

Há uma grande área livre com bancos, ou seja, ujm verdadeiro Biergarten para que você possa escolher sua comida e curtir a tarde sob o sol. Nos esbaldamos em camarões e lagostas enormes a preços módicos. Simplesmente delicioso!!

O Viktualienmarkt fica aberto o ano inteiro de segunda a sexta das 10 as 18 e aos sábados até as 15 horas. A estação de metrô mais próxima é Marienplatz. De lá seguimos nos perdendo pelas ruazinhas até que chegamos à Hofbräuhaus, mas isso já é assunto para outro post.

Alemanha · Europa · Füssen

De Munique a Füssen: Visita ao Castelo Neunschwanstein

O Castelo de Neuschwanstein, que na minha opiniao, é um dos mais lindos do mundo, fica na Baviera, perto do povoado de Schwangau e Füssen no Ällgau.

Ela é a primeira (ou última) cidade da Rota Romântica da Alemanha, conforme o ponto de vista. O Castelo começou a ser construído entre 1869 e 1886 a mando do rei Ludwig II inspirado pelas obras de Richard Wagner de quem ele era mecenas.

Visitar o castelo por conta própria não é difícil e um bate e volta a partir de Munique é absolutamente possível, mas vai durar o dia todo.

  • Como chegar

Para ir à Füssen de Munique você pode ir de carro ou preciso pegar um trem regional até o vilarejo de Hohenschwangau onde fica a parada do trem e/ ou sua última oportunidade de estacionar, na entrada do Castelo de Hohenschwangau, outro lindo castelo que pertecia ao pai de Ludwig II.

Segui a dica de uma amiga minha e fomos até a Estaçao Central de Munique (Munchen Hbf) onde fica a loja da http://www.radiustours.com/index.php/en/http://www.radiustours.com/index.php/en/”>Radius Tour ,¡. Essa agência é um achado porque eles oferecem vários tours em Munique e Baviera de graça! Você só paga as passagens e o que vai consumir e no final dá uma gorjeta ao guia.

Chegando na agência, fechamos o tour para o mesmo dia, compramos, junto com a guia, as passagens na própria estaçao de trens, pegamos os 2 trens e chegamos à bilheteria do castelo em Hohenschwangaus, que é o palácio do pai de Ludwig, bem próximo ao de Neuschwanstein.

De lá caminhamos até o ponto do ônibus que nos leva até o Castelo Neuschwanstein. O bilhete custa cerca de 1,60 euros.

Se você estiver de carro, esse também é o ponto mais próximo que você poderá chegar com ele. Estacione no estacionamento do Castelo (custa cerca de 6 euros) e caminhe até o ponto de ônibus.

O ônibus vai te deixar ao lado da Ponte Marienbrucke, de onde se tem a melhor vista do Castelo, do desfiladeiro e da cachoeira.

De lá caminhamos uns 15 minutos até o Castelo de Neuschwanstein e fizemos o tour guiado de 30 minutos. O tour tem que ser agendado com antecedencia e tem hora marcada.

  • Bilhetes de Entrada

É muito recomendado reservar os tickets online com bastante antecedência. Só é possível comprar os tickets diretamente no Ticket Center do Castelo de Hohenschwangau para o mesmo dia da visita e para um horário específico.

Por isso reservar é tao importante porque os ingressos esgotam rapidamente e sempre há muita fila. A reserva é feita no site do Castelo onde você tem que preencher um formulário online de solictaçao. Você pagar 1,80 euros por pessoa para fazer a reserva e recebe o recibo da reserva por e-mail; apresenta na bilheteria no dia da visita e comprar o ticket na hora. Todas as informações de preços e horários também podem ser consultadas no mesmo site.

Nós nao fizemos nada disso porque a agência fez tudo para nós e grátis! Quando chegamos ao Castelo Neuschwanstein, a guia já tinha os nossos ingressos e nos entregou. Pagamos diretamente para ela o mesmo preço da bilheteria, cerca de €12.

Na entrada do castelo nos entregaram um audio guide e seguimos um guia próprio do castelo que ia mostrando o caminho e nos dando algumas informações. O tour dentro do castelo dura cerca de 35 minutos. Nao é permitido fazer fotos lá dentro.

Terminada a visita voltamos caminhando para a entrada do Castelo de Hohenschwangau, sao uns 20 minutos de caminhada e tem um pessoal oferencendo charrete por 6 euros para descer.

Se quiser você também pode fazer a visita guiada ao Castelo de Hohenschwangau e depois caminhar até o Lago Alpsee.

  • Dentro do Castelo

A arquitetura do castelo é de estilo medieval e serviu de inpiração para Walt Disney criar o castelo da Cinderela no parque Magic Kingdom. Ele é conhecido como um verdadeiro castelo de contos de fadas.

O nome Neuschwanstein significa cisne de pedra e é inspirado na ópera de Lohengrin de Richard Wagner. Aliás toda a decoração do castelo é inspirada nas composições de Richard Wagner e as cenas e personagens das óperas estão presentes em todos os cômodos do castelo. No entanto, Ludwig morreu antes que o castelo ficasse pronto então somente 14 cômodos foram finalizados.

O castelo de Hohenshwangau, onde Ludwig passou sua infância também tem algumas pinturas inspiradas nas óperas de Wagner.

Os cômodos que mais gostamos foram a sala do trono, sem trono porque não chegou a ser finalizada, o quarto de Ludwig II, onde estão as pinturas mais bonitas e uma réplica de uma grutas com estalactites e estalagmites.

Diz a lenda que Ludwig II gastou quase todo o dinheiro do reino em sua construção e foi portanto declarado insano, mas sem ser examinado. Dias depois foi encontrado morto no lago do castelo ao lado do psiquiatra que fez o laudo. Ninguém sabe até hoje se eles foram assassinados ou se morreram afogados. A propriedade do castelo passou para o estado da Baviera.

Para conseguir recuperar o dinheiro gasto e pagar as contas do estado, em 1886 o castelo foi aberto para visitação e desde essa data recebe cerca de 1,3 milhões de visitantes todos os anos. É o castelo mais fotografado do mundo e um dos destinos mais visitados da Alemanha.

Alemanha · Europa · Ingolstadt

Outlet-Village e Museu da Audi em Munique (Ingolstadt)

Semana passada, fui a trabalho para Munique para participar de um workshop de RH em uma das empresas do Grupo: a AUDI!

Foram dois dias de Workshop e a sensçao térmica chegou a -18C! Andar na rua era impossível porque o rosto começava a congelar e a doer instantaneamente.

Sorte que passei 99% do meu tempo dentro do escritório/ hotel/ restaurante e chegávamos de carro já dentro da fábrica, no quentinho. Nao tínhamos que sair para nada, até lanchinho tinha na sala de reunioes.

 

Foi a primeira vez que visitei a fábrica e fiquei encantada com o tamanho (são mais de 46 mil empregados) e com a modernidade e beleza dos escritórios. Fiquei no Kult Hotel Ingolstadt e achei muito bom.

Na primeira noite jantei no restaurante do próprio hotel, que é um italiano incrível.

Na segunda noite, depois de um dia cheio de trabalho, jantei com a equipe em um restaurante típico bávaro, bem no centrinho histórico da cidade, que é um charme. Recomendo bastante também, o Schwanzer Rutschn.

Justo na entrada da fábrica, ao lado dos escritórios de Serviços Financeiros e RH, estão o Audi Forum que engloba um Centro de Clientes da Marca + Museu da Audi que é aberto à visitação do público.

 

O Centro de Clientes é onde os compradores vão retirar seu carro produzido diretamente na própria fábrica. Baita trabalho de fidelização de clientes, não?

Na mesma área fica o Museu da Audi onde estão todos os carros clássicos da marca. A entrada simples custa 2 e a visita guiada de 1 hora 6. Eu optei pela visita guiada porque queria conhecer um pouco da história da fábrica.

O fundador, August Horch, criou a montadora em 1899 em Zwickau, na Saxônia, onde começou a fabricação dos primeiros carros de luxo do mercado.

A carroceria toda feita em madeira, mas já com os pneus de borracha. Um carro, naquela época custava o mesmo valor que uma residência em Berlim. Somente a classe alta tinha acesso a esses automóveis.

Note que o volante ficava do lado direito do carro porque era a posição do cocheiro. Com o tempo, eles perceberam que para fazer curvas ou ultrapassar, ter o volante do lado esquerdo do carro deixaria tudo mais fácil e então trocaram a posição.

Depois de uns anos, Horch brigou com seus sócios e teve que sair da sociedade abandonando o uso do seu próprio nome! Ele então buscou como alternativa, a tradução do seu nome ao latim e assim surgiu a marca Audi que mudou o foco e passou a produzir carros de médio porte.

Na mesma época, surgiu então a DKW com o primeiro carro popular do mercado, produzido com o motor de duas motocicletas!

Infelizmente veio a quebra da Bolsa de Nova York em 1928 e das 60 montadoras que existiam na Alemanha só sobraram 16! As que sobraram foram obrigadas a associar-se para conseguir sobreviver e surgiu a Auto Union da união da Audi + Horch + DKW + Wanderer.

Com essa união, a Auto Union passou a ser a mais importante produtora de automóveis da Alemanha. Dona de um seguimento completo com a Horch produzindo carros de luxo, a Audi e a Wanderer, carros de porte médio e a DKW, carros populares, a Auto Unión começou a produzir carros de corrida, o primeiro com um motor de Ferdinand Porsche, a fim de divulgar seu nome no mercado.

Sentiu-se a necessidade de um novo logo e esse foi o momento em que surgiram as quatro argolas entrelaçadas. Um modelo exclusivo foi desenvolvido para lançar o novo logo no Salão do Automóvel.

Com a chegada da 2ª Guerra Mundial, o leste da Alemanha foi dominado pela URSS que aniquilou todas as montadoras de automóvel da época, inclusive a Auto Union que ficava em Zwickau.

Com o fim da Guerra, a Auto Union, decidiu reabrir, só que dessa vez em Ingolstadt, onde a fábrica da Audi está desde então. Como Munique e toda a região haviam sido devastadas, Ingolstadt era a única possibilidade, pois ali estavam abandonados os galpões usados pelo exército na guerra.

Em 1958 a Daimler-Benz comprou 87% da Auto Union e os carros passaram a ter um motor Daimler. Os carros começaram a ter cada vez mais sucesso no mercado com seus modelos super modernos e americanizados para a época.

Pouco depois, em 1962, a Daimler deixou a Auto Union e ela foi comprada pelo Grupo Volkswagen que passou a utilizar suas instalações para a fabricação dos fusquinhas. O nome Audi foi adotado, pois era o único que ainda estava disponível e não havia sido vendido.

Os engenheiros da Audi eram proibidos de fazer qualquer desenvolvimento de novo veículo até que dois destemidos, em sigilo desenvolveram um modelo super moderno que foi aprovado pelo presidente da Volkswagen e a Audi recebeu carta branca para começar seu próprio desenvolvimento e produção e alcançou o sucesso que tem até hoje..

Na saída do Museu além de uma lojinha de souvenirs há um restaurante bem bacana, todo iluminado e com vista para a fábrica.

Bem em frente, dentro dos escritórios, e aberto ao público, é possível ver os modelos novos da Audi e inclusive entrar nos carros.

Horário de Abertura: Seg-Sex das 9:00-18:00 / Sab e Dom das 10:00-16:00

Endereço: Audi Forum – Auto Union Strasse, 1, 85045, Ingolstadt, Alemanha

 

Ingolstadt Village Outlet

Você pode emendar sua visita ao Museu da Audi com o Igolstadt Village Outlet que fica a uma distância de só 7 km e terminar seu dia fazendo umas comprinhas com desconto . Os preços na Europa não são compráveis com os dos EUA, mas são bem mais baratos que os do Brasil com certeza. E por ser um Outlet as lojas são obrigadas a vender as peças com preço mais baixo.

Eu já fui no Designers Outlet (que é da mesma rede) em Wolfsburg e os preços compensam sim, principalmente se você não pretender ir aos EUA para fazer compras e está de férias por Munique. Lembro, por exemplo, que uma calça jeans da DIESEL saia por cerca de 70-90€. As lojas disponíveis você pode ver nesse link.

Horário de Abertura: Seg-Sab das 10:00-20:00

Endereço: Ingolstadt Village – Otto-Hahn-Strasse,1, 85055, Ingolstadt, Alemanha

 

Como chegar ao Museu/ Village-Outlet

Ingolstadt fica a 87km de Munique e é possível chegar de carro alugado, trem, shuttle, táxi ou Uber.

De Munique

Basta pegar um trem na Estação Central de Munique até a Estação Central de Ingolstadt (20€). De lá pegue um táxi até o Museu ou o Outlet (15€).

Existe um Express Shuttle (22€) e que sai do centro de Munique (em frente ao Hotel Sofitel) e te deixa na porta do Outlet. De lá pegue um táxi até o Museu da Audi. São 7 km tanto para um quanto para o outro e te custará uns 15€ de táxi cada perna.

Do Aeroporto de Munique

Existe um Airport Express Shuttle (22€ ) que sai do aeroporto e te leva diretamente ao Outlet. De lá é só pegar um táxi até o Museu da Audi que serão somente 7 km de distância (15€).

De Ingolstadt para Munique

Pegue o Shuttle do Outlet (22€ )de volta ao centro de Munique ou vá de táxi até a Estação de Trens de Ingolstadt (15€ )e de lá pegue um trem até a Estaçao Central de trens de Munique (20€).

O caminho tanto de ida quanto de volta varia entre 40 minutos e 1 hora.

 

 

 

Alemanha · Europa · Munique

Munique | Onde tomar a melhor cerveja do mundo?

Poucas coisas são tão tipicamente alemãs quanto a Hofbräuhaus de Munique. A cervejaria de mais de 400 anos já foi frequentada pela corte alemã, pelos nazistas e por turistas do mundo inteiro.

A casa abre à 9h da manhã e chega a ter 30 mil visitas por dia. Ela foi construída no final do século XVI e salvou as finanças da Baviera. Na época, os duques da região importavam sua cerveja da pequena cidade de Einbeck, na Baixa Saxônia, e estavam cronicamente falidos. A corte apreciava até demais aquele “suco de cevada” o que levou ao esvaziamento dos cofres públicos.

O gosto pela cerveja levou à construção de uma cervejaria própria, a Hofbräuhaus que foi apreciada desde o início. Há muitas lendas em torno de sua história e uma delas conta que o exécito sueco topou não invadir a cidade de Munique em troca de mil baldes de cerveja durante a guerra dos 30 anos.

Tempos depois o local tornou-se ponto obrigatório para os apreciadores de cerveja do mundo todo e inclusive era frequentada pela Imperatriz Elisabeth ‘Sissi’ da Áustria. Outras celebridades foram Lenin, Mikhail Gorbatchov e Mozart.

A casa tem quatro andares e por volta das 13h quando chegamos somente no último encontramos mesa. No térreo é onde há a maior festa com a banda típica, as garçonetes segurando 10 canecas de uma vez e as famosas cestas de pretzel gigantes.

Outra tarde inesquecível regada a muita cerveja, salsicha branca (típica do sul da Alemanha, pois existe uma salsicha típica de cada estado), Einsbein (joelho de porco) e mostarda doce!

 

 

Europa · Munique

Munique | Como ir à Ópera de Munique por 5 Euros?

O Festival de Ópera de Munique acontece sempre em Julho com peças tradicionais de Verdi a Wagner. A ópera foi construída por volta de 1600 quando exibia peças italianas para a corte. Esse primeiro teatro chama-se Residenz. Em 1700 o imperador Maximiliano III encomendou ao arquiteto Françoi Cuvillie a construção de outro teatro anexo ao Residenz. O teatro passou a chamar-se Cuvillie e é referencia mundial para os amantes de ópera.

Ficamos tão encantados com a arquitetura que  decidimos comprar os tickets para o espetáculo no mesmo dia da apresentação pelo próprio site da ópera.

Os preços são muito acessíveis porque o governo realmente proporciona acesso à cultura á população. Há até mesmo um lugar para que se possa assistir a ópera em por por apenas 5 Euros.

As pessoas chegam, amarram uma fita no corrimão onde vão ficar e vão para o bar onde ficam até a hora do espetáculo. Quando voltam , claro, a fita continua lá onde foi deixada e ninguém pegou o lugar de ninguém.

Na saída do espetáculo uma surpresa: a praça fica cheia de tendas, mesinhas e cadeiras que servem o ‘vinho após o teatro’. Pessoas de todas as idades, inclusive idosos passam horas conversando sobre a peça e apreciando um bom vinho.

Até participamos de uma despedida de solteiro, muito diferente das nossas em que assinamos a roupa do noivo e ganhamos uma prenda!

Depois disso pegamos o metrô e voltamos felizes para casa desejando que o Brasil fosse assim seguro e organizado!