Asia · India · Jaipur

Jaipur | Palacio Real de Jaipur e Observatório Astronômico Jantar Mantar

De volta do Forte de Amber, nossa próxima parada foi no observatório real, chamado Jantar Mantar, um dos cinco observatórios construído na Índia, este pelo marajá Jai Singh em 1728 que além de guerreiro era apaixonado por astronomia.

Basicamente ele é um conjunto de instrumentos e esculturas que permitiam o estudo da evoluçao das sombras produzidas pelo sol, ou seja, “no sun no fun”. Se nao estiver sol no dia que você visitar o observatório nao será possível ver a “mágica” acontecendo. O objeto mais impressionante é um relógio solar de mais de 27 metros e que se move 4 metros por hora!

O que eu mais gostei é o instrumento astrológico que permite ver exatamente como os signos se determinam conforme a posiçao do sol no momento em que você nasceu. Dá para ver certinha a sombra na casa solar!

O Observatório está conectado com o Palácio dos Ventos e com o Palácio da Cidade formando assim o complexo Palacial de Jaipur. Uma verdadeira obra prima!

O Palacio de Jaipur ou City Palace inclui dois palácios principais, o Chandra Mahal e Mubarak Mahal junto com outras construçoes que compoem a casa da família real de Jaipur, que obviamente hoje já nao tem mais poder, mas mantém seu suatus real. Ele foi construído entre 1729 e 1732 por Jai Singh II, o entao governador de Amber sob a supervisao dos arquitetos reais: Vidyadar Bhattacharya e Samuel Swinton. Eles conseguiram plasmar uma mescla de arquitetura mongol, hindu e européia.

É preciso atravessar 7 portóes (que representam os sete planos espirituais) para chegar até o Palácio.

A maior parte do palacio Chandra Mahal é habitado pela família real e cada um dos seus sete andares tem um charme e encanto particulares. Os patios, jardins e várias edificaçoes também podem ser visitadas. Ele é considerado edifício mais importante e mais bonito do complexo. Nós optamos pelo ingresso Royal grandeur tour que custa 2000 INR e que dá acesso a muito mais áreas do palácio que o ingresso normal. Sao mais ou menos 45 minutos de visita e fomos com nosso guia, já contrato junto com nosso motorista.

Os dois primeiros andares, que formam parte da Sukh Niwas Hall, formam o Museu Maharaja Sawai Man Singh II que exibe muitas peças e armamentos de guerra. Nós nao entramos porque o ingresso era separado e nao tínhamos interesse em ver armas. preferimos comprar o ingresso para o Palácio Real.

O terceiro andar do Sukh Niwas Hall, é o Salao Azul, que na minha opiniao é a sala o bonito do complexo, toda adornado em tons de branco e azul celeste e desenhado para ser a sala de jantar da família real.

O quarto andar é conhecido como Shobha Niwas ou Salao da Beleza e tem uma decoraçao única com muitas pinturas douradas e trabalhos em espelhos além das decoraçoes florais. Ele era utilizado como sala de oraçoes.

O quinto andar é Chavi Niwas ou a Casa dos Espelhos e uma arquitetura de espelhos em suas paredes. Antigamente, à luz de velas, o teto do salao parecia estrelado. O guada do palácio nos fez uma demonstraçao apagando as luzes e acendendo duas velas em movimento. É super bonito.

O último e sexto andar chama-se Mukut Mahal ou o Palácio da Coroa de onde se pode ter lindas vistas de Jaipur, dos outros edificios do complexo e dos jardins em que haviam vários pavoes. A coisa mais linda. Nós amamos esse palácio e para mim depois do Forte de Amber (ver post aqui) é a segunda atraçao imperdível de Jaipur.

Outro ponto alto fica na área de Gangajalis of Diwan-i-Khas ou SarvatoBhadra com paredes laranajs e lindos lustres de cristal e que inclui duas urnas gigantes que estao listadas no Guiness Book como os maiores objetos de prata do mundo! Seu objetivo inical era carregar água do Ganges para Londres para que Madho Sigh II pudesse bebê-la durante sua estadia em 1901.

Também na área pública (Pritam Niwas Chowk) o pátio está rodeado por 4 portóes que representam as 4 estaçoes do ano: o portao do Pavao representando o outono, o Portao das Rosas representando o Inverno, o Portao de lotus representando o Verao e o Portao de Leheryia representando a primavera. Um portao mais lindo que o outro e um dos trabalhos mais procurados pelos turistas!

Portao do pavao (Outono)
Portao das Rosas (Inverno)
Portao de lotus (Verao)
Portao de Leheriya (Primavera)

// Onde ficar

Nós ficamos no excelente Umaid Bhawan Hotel que 4 estrelas e fica em um antigo palácio restaurado em Jaipur com uma decoraçao incrível.

Exatamente o que queríamos de um hotel na Índia com pinturas incríveis e quartos confortáveis e lindos.

O nosso tinha uma cama de princesa além de uma mini salinha de estar e um banheiro bem grande e reformado.

A estrutura do hotel também conta com piscina, embora nao tivemos tempo de usá-la, bar, cafeteria e restaurante rooftop onde jantamos na primeira noite por lá e tanto a comida como o atendimento foram fantásticos.

// Onde comer

Umaid Bhawan Hotel

Pink City Jaipur

Asia · India · Jaipur

Jaipur | Palácio dos Ventos, Forte Amber e Water Palace

Jaipur é conhecida como a cidade rosa desde 1905 quando em preparaçao à visita do príncipe de Gales à cidade ordenou-se que ela fosse toda pintada de rosa e assim permanece seu centro antigo até os dias de hoje.

A cidade foi fundada em 1728 pelo marajá Sawai Jai Singh, governador de Amber e aficcionado pela astronomia. Ela é bastante simétrica e rodeada por uma muralha com dez portas. Ela está dividida em 9 quadrantes sendo que dois deles estao dedicados ao Palacio dos Ventos e ao Jantar Mantar, ou observatório astrológico e o outro ao Chandra Mahal ou City Palace. Os outros sao ocupados pelos moradores da cidade.

Nossa primeira parada foi no Palácio dos Ventos, um antigo palácio, conectado ao City Palace e ao Observatório Jantar Mantar, construído em 1799, como uma extensao do harém. Ele permitia que as mulheres reais observassem a cidade através das pequenas janelinhas sem serem vistas. Ele é uma fachada construída na forma da cauda do pavao real que é símbolo da realeza indiana.

Na sequência fomos visitar o Forte de Amber, que construído em 1592, foi o lugar que mais gostei da viagem, depois do Taj Mahal em Agra. Ele fica em Amber, a 11 km de Jaipur, e era o complexo palaciano da cidade, que ficava dentro de um forte chamado Jaigarh Fort.

Esse forte está conectado com Amber através de passagens fortificadas e fica no topo de uma colina dentro do complexo de Amber. Nós subimos ao forte de elefante e foi um dos pontos altos da viagem.

Do alto do elefante conseguimos ver toda a cidade de Jaipur, o lago Maotha e a muralha original da cidade. Também se pode subir de carro por um caminho diferente.

Muralha de Jaipur

O passeio termina em um grande pátio chamado Jaleb Chowk. Aí compramos as entradas e subimos por uma escada empinada em direçao ao um novo pátio chamado Diwan-I-Am que era utilizado para as audiências públicas está adornado por muitas colunas de pedra rosa.

Ao lado está a porta Ganesh Pol e que leva às habitaçoes privadas do marajá. Está toda decorada por mosaicos e pinturas e pelas janelas jali de onde as mulheres também podiam olhar para fora sem serem vistas.

Outra sala bastante interessante é a Sala dos Espelhos (Hawa Mahal) que na época em que o Palácio era habitado pela realeza, somente uma vela era necessária para iluminar o lugar por causa do desenho e distribuiçao dos espelhos. Nosso guia contou que Shakira se apresentou para a família real e que por conta dos espelhos todos os conviados podiam vê-la de onde estavam.

Na outra ponta está o Palácio do Prazer com porats de marfim e madera de sândalo e que era a área de diversoes no verao. Ele tinha um sistema de refrigeraçao onde a água fresca ficava depositada no teto e depois passava ao jardim.

Na parte mais antiga está a Zenana, parte do palácio reservada às mulheres. No térreo ficavam as princesas e na parte superior as concumbinas. É um costume muçulmano que foi introduzido na Índia depois das várias invasoes.

Na saída do Forte Amber, a caminho do City Palace, passamos pelo Water Palace, que parace estar flutuando sobre as águas do lago de Man Sagar, impressionante! O lago se enche durante o período de cheias e só é acessível por barco. Ele foi reformado pelo marajá Jai Singh II no século XVIII para uso da família real de Jaipur.