Dubai

Drinks no Skyview Bar do Burj al Arab

O Burj al Arab é o hotel de luxo mais famoso do mundo, o único 7 estrelas e com o quarto mais alto do mundo, chega a uma altura de 321 metros!

Ele começou a ser construído em 1994 e foi inaugurado em 1999. Desde então, virou símbolo de status e riqueza e desperta a curiosidade de todos que visitam Dubai. Ele está localizado em uma ilha artificial conectada à terra firme por uma rua e sua forma de vela foi milimetricamente calculada para não fazer sombra na praia.

No topo do hotel está o famoso heliporto que foi utilizado em 2005 por Roger Federer e André Agassi como quadra de tênis em um propaganda do próprio hotel.

A decoração interior é de cair o queixo e foi idealizada pela designer Khuan Chew. As instruções que ela tinha do Sheik eram: deslumbrar e impactar, e foi realmente isso que ela fez! Para qualquer lugar que você olhar verá mármore, veludo e folhas de ouro.

O hall de entrada tem cores fortes e brilhantes, muito ouro e um conjunto de fontes dançantes com luzes e dois imensos aquários. É realmente impactante e vale muito a pena visitar.

No entanto, para conseguir entrar no hotel você precisa estar hospedado ou ter reserva em algum dos nove restaurantes. Você pode fazer a reserva pelo próprio site do hotel, em qualquer um dos restaurantes. A forma mais econômica de visitar o hotel é através da reserva do “pacote” de drinks ou chá da tarde no restaurante Skyview Bar dentro do hotel.

O Skyview Bar do Burj al Arab é o restaurante/ bar panorâmico do hotel que fica “acoplado” à vela em um espécie de plataforma suspensa. Ele fica no 27º andar a 200 metros de altura. Além de te dar acesso ao hall de entrada te a chance de andar no elevador panorâmico super rápido que te leva diretamente à porta dourada do restaurante.

Nós optamos pelos drinks porque achamos mais interessante passar a noite por lá, depois de jantar na Marina ao invés de perder a tarde comendo, afinal tínhamos só dois dias por lá e queríamos aproveitar os passeios.

O restaurante é lindo, a vista maravilhosa, mas tenho que tirar o chapéu para o atendimento que é realmente 7 estrelas. No hotel trabalham funcionários de mais de 80 diferentes países e que passam por um rigoroso processo de seleção, e isso se nota muito. Todos são extremamente agradáveis, simpáticos, cuidadosos e atenciosos, mas ao mesmo tempo te deixam sossegado, sem estar em cima o tempo todo. Foi o melhor atendimento que já recebemos em um restaurante e indico de olhos fechados! Até brincamos que depois do Burj nosso nível de exigência subiu e agora será mais difícil ficar satisfeito em outro restaurante.

Assim que atravessamos a rua que dá acesso à entrada da ilha e do hotel, há uma guarita onde apresentamos o papel da reserva. Nossa entrada foi autorizada e rapidamente um manobrista veio para estacionar nosso carro, sem custo.

Ao entra no hotel passamos mais de meia hora admirando toda a decoração do lugar e tirando muitas fotos. Por isso é bom chegar uns 20 minutos antes da hora da sua reserva.

Quando estávamos satisfeitos pegamos o elevador e entramos no restaurante. A hostess foi super simpática e até arranhou umas palavrinhas em português. Nos posicionaram em uma mesinha na janela que tinha uma vista privilegiada para a praia de Jumeirah. Mesmo de noite, a cidade é toda iluminada e dá para ver muita coisa sim! Eu havia lido alguns relatos de que o reflexo do vidro não deixava ver nada, mas não concordo e recomendo ir sim!

Logo em seguida nos trouxeram a carta com a lista de drinks incluída no pacote que haviamos compramos, que incluía 2 drinks por pessoa, que variam entre coquetéis, vinho ou cerveja e mais uns aperitivos compostos por azeitonas recheadas (enormes e deliciosas) e nuts ( macadâmias, avelãs e nozes) que eram repostos a todo momento, antes mesmo de acabar.

Além disso, quando agendamos a reserva, incluímos uma nota de que era nosso aniversário, temos só 4 dias de diferença e ao final da experiência nos trouxeram uma rosa e um pedaço de bolo, diga-se de passagem o melhor bolo que já provamos na vida como waffle ao invés de massa e ganache de chocolate. Nos deixaram ficar muito mais tempo do permitido no pacote, que são em média duas horas, e na saída também demos mais voltas pelo hotel e os funcionários sempre solícitos e oferecendo-se para tirar fotos nossas. Incrível.

Foi um dinheiro super bem gasto e achamos o preço super justo. O pacote pode ser comprado no site do hotel ou no site do Get you guide. Não é barato, e confesso que quando estava planejando a viagem fiquei na dúvia se deveria ir ou não, mas vale lembrar que primeiro, estamos em um país muçulmano e as bebidas alcólicas tem um imposto super alto, o preço foi similar na Índia, por exemplo, além do fato de estar em um hotel 7 estrelas com um ambiente e serviço incrível. Serão provavelmente os drinks mais caros da sua vida, mas na minha opinião, vale muito a pena e é um dos pontos altos da viagem. Há várias opções de pacotes para café da manhã e almoço no vários restaurantes de lá, é só escolher um e aproveitar.

Dubai · Oriente Médio

24 horas em Dubai

Dubai foi nossa parada por dois dias em uma escala da nossa viagem para a Índia.

Ao desembarcar no aeroporto, que é um dos mais modernos do mundo, você já percebe que entrou em um universo paralelo de luxo e beleza, praticamente a Las Vegas do Oriente.

Transporte

Depois da imigração, que é super tranquila e brasileiros e europeus não precisam de visto de turismo, fomos direto para o balcão da Avis onde tínhamos reservado um carro. Desde que começamos a planejar a viagem sabíamos que as distâncias eram enormes e não queríamos ficar dependentes de táxis o tempo todo, além de ficar e decidimos que a melhor solução seria alugar um carro.

Mas importante é tirar a carteira de habilitação internacional que te dá o direito de dirigir por lá como turista. Outra coisa: Dubai tem radares de velocidade por todos os lados, use o Waze, para saber onde estão e não ter uma surpresinha no cartão de crédito. Também tem muitos pedágios, você passa por debaixo de um painel de metal na estrada e o valor é debitado pela locadora do seu cartão de crédito. Você nem percebe.

Acomodação

Chegamos no nosso hotel, o Hilton Dubai The Walk que é interligado com o Hilton Jumeirah, bem tarde e voilá, ganhamos um upgrade para um quarto com uma vista incrível da Marina.

Mais um ponto para Dubai!

O hotel é ótimo, quarto maravilhoso, vários restaurantes e um bar no terraço. Na chegada você recebe um “cartão toalha” que te dá acesso á piscina e praia do Hilton Jumeirah, eles são conectado por uma passarela, e que te abre as portas para toda aquela maravilha em pleno Golfo Pérsico.

Estilo beach club europeu com piscina e bar, praia e bar, lojinha, espreguiçadeiras na beira da praia e até serviço de toalha, que quer dizer que nem a toalha na sua cadeira você precisa colocar.

Ponto alto também é que a praia do hotel tem vista para a Marina de Dubai e a grandiosa roda gigante. Puro luxo…

A localização, depois de muito pesquisar, foia que achei mais conveniente, pois além de te dar a opção de ir à praia, a maioria das praias em Dubai é particular, é o único lugar da cidade em que você pode andar a pé na rua, dar uma volta e ir à noite a um restaurante perto do hotel sem ter que pegar o carro para tudo.

E além dos vários restaurantes há um shopping bem de frente e diversas lojas no “The Walk” que é justamente essa área peatonal de Dubai.

Roteiro

Na manhã seguinte à nossa chegada, antes de visitar os pontos mais famosos da cidade, aproveitamos o início da manhã para passear um pouco pela Marina de Dubai, onde ficava nosso hotel e para mim, um dos melhores lugares para se hospedar na cidade.

O calor que fazia era absurdo, na casa dos 42ºC, mas com sensação térmica de 52ºC, gente sabe a sensação de quando você está assando um bolo e abre a porta do forno para ver se ele está pronto? Chegava a queimar a retina dos olhos! Não é a toa que a cidade parace um pouco fantasma porque todos estão dentro dos hotéis, nas piscinas ou nos shoppings em busca de ar condicionado.

Rapidamente nos refugiamos na Ladurée que tinha um ar condicionado geladinho e iniciamos o dia tomando um café da manhã delicioso com direito a ovos Benedict e mini chocolatinhos da marca.

Na sequência, pegamos o carro e fomos de encontro ao mítico AtlantisThe Palm, um dos resorts mais chiques de Dubai que fica na Ilha da Palmeira, uma ilha totalmente artificial que está entre as maiores do mundo.

Ela foi idealizada pelo Sheik Mohamed bin Rashid al Maktoum, que também governa o emirado, com o objetivo de aumentar o turismo em Dubai reunindo uma série de hotéis de luxo, são mais de 60, mais de 10.000 mansões e vilas, spas, shoppings, e restaurantes, além de aumentar a extensão das praias de Dubai.

A construção toda foi feita em 4 anos e foram utilizados 25 milhões de kilos de areia e 6 milhões de kilos de pedras. The Palm islands é um dos maiores projetos realizados pelo país, e, além de ser considerada por muitos a oitava maravilha do mundo, é o maior arquipélago já construído pelo homem e que pode ser vista desde o espaço!

A Palmeira é formada por 3 ilhas principais: Palm Jumeirah, Palm Jebel Ali e Palm Deira, mas a única aberta a turistas é a Palm Juneirah, onde fica também o famoso hotel 7 estrelas, o Burj Al Arab. A ilha também abriga várias residências que pertencem à diversas celebridades como David Beckham, Brad Pitt etc.

Nossa próxima parada foi na praia Umm Suqeim Third (é só colocar esse destino no Waze) para ver e tirar algumas fotos do Burj Al Arab. Para entrar no hotel, que é o único 7 estrelas do mundo, é preciso estar hospedado ou ir a algum dos seus restaurantes. Nós reservamos para essa mesma noite para tomar drinks no Skyview bar, o bar panorâmico do hotel, então o vimos de dia e de noite.

Nosso plano era, nesse momento visitar o Gold Souk, ou o mercado de ouro de Dubai e Deira, onde fica a Dubai antiga, antes de todo o luxo e ostentação. Mas o calor era absurdo e estava impossível caminhar na rua. Na hora decidimos ir em direção a Dubai Downtown e visitar o Dubai Mall, almoçar, passear um pouco no ar condicionado, antes de subir ao Burj Kahlifa, cujo acesso fica dentro do shopping. O estacionamento é gratuito.

Como tinhamos tempo, pois não fomos ao Souk, decidimos visitar o Aquário de Dubai & Underwater Zoo, que fica dentro do Dubai Mall e que vale muito a pena.

Compramos o ingresso na hora e não havia quase fila, mas o lugar é lindo!

Várias espécies de peixes, corais, arraias, tubarões e ainda tem a parte do shark nursery, que é o berçario dos tubarões que conta como eles são tratados, como a ração é formulada, super interessante.

Como tudo que tem por lá, esse também é o maior aquário do mundo com mais de 33 mil espécies!

Em seguida almoçamos no Karam Beirut, um restaurante de comida libanesa boa, bonita e barata – realmente uma delícia – porque já estávamos com vontade de comer comida típica árabe. Eu simplesmente adoro porque cresci comendo comida libanesa no bairro em que minha vó morava quando era pequena, no Canindé, que era recheado de rotisseries e restaurantes libaneses, e, além disso, eu tinha muitos amigos libaneses na minha escola. Lembro que adorávamos voltar das férias porque eles sempre traziam amêndoa confeitadas do Líbano para a gente. E adorávamos fazer trabalho de grupo na cas deles, que além de enormes e lindas, tinha todos esse estilo oriental e à tarde nos serviam chá, tâmaras, amêndoas e muita goma árabe que eu sou viciada até hoje!

Aproveitamos o tempo que nos restava para dar uma voltinha pelo shopping. Passamos pela cascata, pelo souk que tem lá dentro, pelas diversas lojas e restaurantes que tem ali.

Ele é o maior shopping do mundo com mais de 500 mil metros quadrados e todas as lojas e restaurantes que você possa imaginar.

Para ter uma idéia, vi quase todos os restaurantes famosos e estrelados de Nova York e Londres. Incrível. Até comemos um cupcake de sobremesa na Magnolia Bakery, o meu preferido de sempre é o red velvet com cobertura de cream cheese.

São mais de 1200 lojas e ainda tem uma Galeria Lafayette e uma Bloomingdales lá dentro, o único lugar que elas existem fora de seus países de origem.

Próximo às fontes está a entrada para o Burj Khalifa, o prédio mais alto do mundo e que custou mais de 20 milhões de dólares. Construído na forma da flor Hymenocalis, típica do deserto, e que inspirou seu arquiteto Adrian Smith, foi construído por mais de 12.000 pessoas de várias partes do mundo e foi finalizado em 2010, depois de 6 anos da primeira escavação, quando alcançou sua altura máxima de 828 metros!

Mais de 1000 peças de arte do Oriente Médio foram trazidas para decorar a torre que além de apartamentos residenciais e escritórios, a torre abriga o Hotel e restaurante Armani e uma galeria de artes. Tem que comprar o ingresso online com antecedência e horário marcado. Não pegamos nenhuma fila, subimos perto das 16:00 e recomendo muito essa visita.

Lá em cima há um mirador externo no andar 125 e um interno com o deseño das asas para fotos e um lojinha no piso 124. Há outro mirador também no andar 148 cujo acesso é mais caro.

O elevador é uma atração a parte e sobe 1000 metros por minuto! Quem se lembra quando a torre apareceu no filme Missão Impossível e foi escalada pelo Tom Cruise? Além disso, cada área do edifício tem seu próprio cheiro pensado para proporcinar em cada um deles uma experiência diferente.

Na saída, à direita, ficam as Fontes de Dubai, um espetáculo de águas, luzes e música. No verão começa ás 18:00 e tem um novo a cada 30 minutos.

Cada espetáculo dura cerca de 5 minutos e você pode assitir do lado de fora do shopping ou do terraço da loja da Apple que fica bem em frente e tem uma vista mais aérea.

Claro que as fontes são também as mais altas do mundo e estão em um lago equivalente a dois campos de futebol e para quem quiser é possível fazer um passeio de barco por ele.

À noite fomos ao Skyview Bar do Burj Al Arab que com certeza merece um post a parte.