Suiça · Zermatt

Zermatt | Roteiro de 2 dias pela cidade suiça

Enquanto montávamos nosso roteiro pela Suiça, ficamos em dúvida sobre qual cidade de “Alpes” gostaríamos de conhecer: Interlaken, base para explorar algumas cidadezinhas de lago como Thun e para a atraçao “Top of Europe” na montanha Jugenfraujoch ou Zermatt com seu charme tipicamente suíço e sua montanha mais famosa, o Matterhorn.

Suiça

Decidimos por Zermatt, porque afinal, queríamos algo que tivesse tudo que se espera da Suiça: chalés, fondue e Alpes nevados!

E Zermatt tem tudo isso e mais um pouco. É um dos mais conhecidos (e cobiçados) centros de esqui da Suiça, mas não vive só disso. O legal de Zermatt, é que além do esqui tem muitas atraçoes de “Verao” como uma cidade fofíssima cheia de lojinhas e restaurantes, várias possibilidades de trilhas e o Observatório 360º de Gornegrat.

Suiça

Zermatt, ficou conhecida pelo Matterhorn, uma das montanhas suíças mais famosas da Suíça e um dos picos mais cobiçados pelos Alpinistas do mundo todo. É aquela montanha da embalagem do Toblerone e dos lápis de cor Caran d’Ache, sabe?

Suiça

A viagem de trem entre Lucerna e Zermatt é um espectáculo a parte e um dos pontos altos da viagem. O primeiro trecho vai até o lago Thurnersee na cidade de Thun com uma paisagem de campos, vaquinhas, montnhas e casinhas de cair o queixo.

doiapoqueanovayork

Trocamos de trem em Visp, onde o mudamos para um dos trens panorâmicos mais cobiçados da Suiça, o Glacier Express que vai até Sant Moritz, com uma parada antes em Zermatt. Veja aqui como comprar as passagens para os trens Suiços.

doiapoqueanovayork

Aí é que a paisagem fica mais bonita ainda com os Alpes de plano de fundo através dos imensos janelões panorâmicos do trem. Já dá para avistar o Matterhorn!

doiapoqueanovayork

doiapoqueanovayork

Chegando em Zermatt, demos a sorte de pegar um clima super quente e céu azul e limpo. O tempo nessa regiao da Suiça é super instável, pode virar de uma hora para a outra, entao aproveite esse dia para acordar cedo e ver o sol refletido no Matternhorn e subir ao Observatório 360º de Gornegrat.

doiapoqueanovayork

A estação de trens fica na rua principal da cidade onde estão a maior parte dos hotéis e restaurantes. Zermatt é uma cidade peatonal, não dá pra entrar com carro, somente circulam pequenos carrinhos eléctricos por lá ou carruagens que são na maioria dos próprios hotéis que buscam/ levam os hóspedes da estação de trens.

doiapoqueanovayork

Nós ficamos hospedados no ótimo Hotel Tannenhof, (faça sua reserva pelo booking.com aqui) no final dessa mesma Avenida, com uma vista exclusiva do Matterhorn da própria varanda do hotel.

doiapoqueanovayork

doiapoqueanovayork

Ou seja, ótimo tanto para madrugar e vê-lo “aceso” pelo sol como para avistá-lo sem multidoes a qualquer horário do dia.

Quarto espaçoso com varanda e excelente café da manha com Birchermüsli ou “overnight oats” típico da Suiça.

doiapoqueanovayork

doiapoqueanovayork

Nosso hotel ficava ao lado da praça principal da cidade e foi por lá que começamos nosso roteiro. Em uma das pontas da praça fica o Matterhorn museum que conta toda a história da cidade e explica o trágico acidente que causou a morte de vários alpinistas em 1865 que escalavam o Matterhorn. Aliás isso foi o que levou Matterhorn a ser conhecida mundialmente e a ser uma das montanhas mais cobiçadas pelos alpinistas do mundo.

Ao longo da praça há varias plaquinhas chumbadas no chão com os nomes dos alpinistas que sobreviveram à tragédia.

doiapoqueanovayork

Atrás da praça está o cemitério onde estão enterrados mais de 500 alpinistas que não sobreviveram à escalada do Matternhorn.

doiapoqueanovayork

Na praça também está a Igreja de Saint Maurice de 1915 e uma pintura nada ortodoixa da Arca de Noé, feita pelo pintor Italiano Paolo Parente.

doiapoqueanovayork

Atrás da igreja há um parque com espreguiçadeiras onde os turistas aproveitam o sol do fim da tarde.

doiapoqueanovayork

A continuação tem um barzinho bem legal para tomar uma cerveja, o Papperla Pub que fica lotado, principalmente se for dia de jogo.

doiapoqueanovayork

Em frente ao museu fica a Fonte das Marmotas e o Alphorn de Bronze, um instrumento típico suíço que parece uma tromba. Daí, do alto da escadaria de Gemeindehaus dá para tirar óptimas fotos do Matternhorn.

doiapoqueanovayork

Na outra ponta da praça começa a rua principal com suas lojinhas, café e restaurantes.

doiapoqueanovayork

Em uma de suas travessas, na Hinterdorfstrasse, estão vários chalés de madeira originais, antes de Zermatt se tornar um centro de esqui. Os chalés eram construídos sobre toras de madeira para ficarem em um plano mais elevados e protegidos de animais.

À noite seguindo recomendação de amigos, jantamos no Pollux, na rua principal. Ficamos na varanda apreciando o anoitecer e o vai e vem da cidade. Comida e preços excelentes. Recomendo!

Raclete de Emmental
Raclete de Emmental

No dia seguinte fizemos o passeio ao Gornergrat, a montanha que abriga em seu topo o Observatório 360º dos Alpes Suiços! Veja aqui como foi.

Luzern · Suiça · Zermatt

Suiça | Dicas de transporte, hospedagem e alimentaçao

A Suiça é o sonho da maioria das pessoas que querem conhecer o mundo, e o estereótipo de limpa e organizada realmente faz jus ao que ela realmente é. Viajar pela Suiça, além de imensamente prazeiroso é fácil e muito intuitivo.

– Transporte:

Tanto os aeroportos como as estações de trem são super bem conectadas por ônibus que te levam a quase todas as partes da cidade. Escrevi um post completo sobre os trens aqui.

Suiça

– Hospedagem:

Em Luzerna nós ficamos hospedados no excelente Ibis Budget Luzern City, super bem localizado, a três quadras da estação de trens e do centro histórico. Ainda por cima, descobrimos que o ônibus número 4, que saia da estação de trens/ e da entrada para o centro histórico passava em frente ao nosso hotel!

Suiça

Já em Zermatt ficamos no maravilhoso/ sem palavras Tannenhof, em pleno centrinho de Zermatt (em uma ruazinha da avenida principal) e com vistas exclusivas da varanda para o Matternhorn! Café da manha excelente, atendimento e dicas de primeira e quarto super confortável.

Suiça

Suiça

– Alimentação

Além da tradição dos chocolates, leia aqui onde quais as melhores loja para comprar, a Suiça tem uma forte tradição em queijos.

Suiça

Existem várias queijarias espalhadas pelas cidades, fomos na Chäs Barmettler em Lucerna onde havia uma variedade enorme de queijos tanto os mais “internacionais” como o Gruyère, o mais tradicional do país, e algumas variedades locais, que acho que só existem na Suiça. Além disso, cada variedade tem sua versão curada ou semi curada, mais ácida, mais picante, mais suave e poa aí vai. Dá pra fazer a festa.

Suiça

Também nos mercados locais a variedade é imensa. Achei até o queijo Manchego, que é típico espanhol e que em Barcelona não achava em lugar nenhum! Tem até a maquininha para derreter  o queijo e fazer raclete em casa.

Suiça

Raclete, é servida como uma entrada, com picles pequenos bem suaves e uma porção generosa de queijo Gruyère derretido por cima.

Suiça

Um dos pratos mais típicos com queijo é o Fondue, que é uma delícia com nada mais nada menos que queijo Gruyère e vinho branco, suave e deliciosos.

Suiça

Outro prato para provar é a batata rosti, que nada mais é do que batata ralada e frita, com muito queijo, ovo frito e bacon. É muito bom!

Suiça

– Souvernir

Entre os mais tradicionais, além do chocolate estao os relógios de bolso e cuco e os canivetes.

Suiça Suiça Suiça

 

Europa · Luzern · Suiça · Zermatt

Roteiro de 4 dias na Suiça

A Suíça é constituída por quatro principais regiões linguísticas e culturais: alemão, francês, italiano e romanche. Por conseguinte, os suíços não formam uma nação no sentido de uma identidade comum étnica ou linguística, é como se houvesse 3 países em um.

Como consequência, sua principal missão ao começar a planejar uma viagem para lá é definir que “Suiça” você quer conhecer. A paisagem do país varia entre: cidades grandes com uma faceta bem “business”, cidades estilo balneário com lagos enormes e os Alpes.

Escolhida a parte da Suiça que você deseja conhecer, a alemã, a francesa ou a italiana, seu próximo passo é decidir que cidades conhecer. Eu sugiro escolher uma cidade grande, uma de lago e outra de montanhas, para ter a experiência completa de Suiça.

No lado francês, uma cidade grande seria Genebra, de montanha Chamonix ou Saint Moritz (uma das mais exclusivas do mundo, o pessoal chega lá de helicóptero), mas eu ainda incluiria um bate e volta às cidadezinhas de Gruyère e Cailler (onde fica a fábrica de chocolates da Nestle – e talvez aqui o trem do chocolate) de acordo com a quantidade de dias que você tenha e de lago Montreaux.

No lado alemão, que foi o que conhecemos, cidades grandes podem ser Basel, Berna, a capital, ou Zurique que é beeem “business” com sede de vários bancos mundiais e de lago eu escolheria Luzern.

De montanha (nessa região ficam os Alpes Suiços) e o principal motivo porque escolhemos o lado alemão do país) você tem opções muito interessantes:

Interlaken, de onde sai o trem mais alto (e caro) do mundo que te leva ao “topo da Europa” em Jungenfraujoch e te permite infindáveis bate e volta para várias cidadezinhas alpinas e fofas como Grindelwalden, Thun ou Brienz, Unterseen, Lauterbrunnen, Kandersteg, Kleine Scheidegg entre outras.

Zermatt onde fica uma das mais famosas estações de esqui da Suiça, a famosa montanha ¨Matternhorn” (aquela da embalagem do Toblerone) e de onde sai o trem para Gornergrat, que te leva ao obeservatório dos Alpes, ao shopping mais alto do mundo e à varias trilhas para subir a montanha.

A escolha da parte que você vai conhecer a Suiça também vai influenciar no seu aeroporto de entrada. Se escolher a parte francesa, entre pelo aeroporto de Geneva. Para a parte alemã, pelo aeroporto de Basel ou Zurique e para a italiana de Lugano.

Nós escolhemos visitar o lado alemão e entramos pelo Aeroporto de Basel. Nosso roteiro de 4 dias ficou assim:

  • Dia 2: Luzern/ Zermatt (em trem panorâmico – Expresso Polar – que tem as vistas mais bonitas da Suiça)

  • Veja o roteiro aqui.
  • Suiça · Zermatt

    Suiça | Quais sao e onde encontrar os melhores chocolates

    Antes de viajar, fiz uma pesquisa rápida sobre as melhores marcas de chocolate na Suiça. Já que íamos para lá (veja o roteiro completo aqui) queríamos aproveitar para experimentar algo além de Lindt e Toblerone.

    doiapoqueanovayork

    Portanto, assim como fizemos na Bélgica, chegamos com uma listinha de marcas e lugares que queríamos conhecer. E, sim, a Suiça é cara e, sim, os chocolates sáo tao caros quanto.

    Mas eu, particularmente, acho que isso é o tipo de coisa que vale a penar Comprar. Primeiro: quando você terá a chance de experimentar uma marca de chocolates local “in loco” novamente? E segundo: você não vai lá devorar a loja inteira e deixar todas as suas economias ali, um bombom aqui e outro ali não vai matar e nem levar ninguém a falência. Ou vai dizer que em Gramado o chocolate também é baratinho? Não é, então… esse é o princípio da coisa!

    doiapoqueanovayork

    Os preços dos chocolates mais carinhos são mais ou menos tabelados entre as lojas. E não são mais caros à toa, são feitos a partir de receitas especiais, artesanalmente e com ótimos ingredientes “gourmet”.

    doiapoqueanovayork

    Confesso que as opções são várias e a primeira vista dá vontade de experimentar tudo. Mas a medida que você vai analisando as opções, vai tirando suas conclusões de qual te convém mais.

    • Láderrach

    A campeã para nosso gosto foi a Läderach. Vimos lojas dessa marca em praticamente todas as cidades que passamos. Até mesmo em algumas estações de trem. Fomos em Basel e depois do centrinho histórico de Luzern.

    doiapoqueanovayork

    O chocolate é maravilhoso e, sim, coloca o Lindt, por melhor que ele seja, no chinelo. Mas isso se justifica facilmente, porque o Lindt é produzido em série enquanto que o outro é artesanal e recebe toda uma atenção especial.

    As barras artesanais tem diversos sabores e confesso que não duravam muito tempo na vitrine!

    doiapoqueanovayork

    • Sprüngli

    Outra loja que fomos foi a Sprüngli, a loja de chocolates gourmet e artesanais da Lindt. Chocolates bons, mas sem muitas novidades. No entanto, o destaque aqui ficam para os macarrons, deliciosos!

    doiapoqueanovayork

    • Lindt

    Há enormes lojas-outlets da Lindt espalhadas pelas principais cidades suiças, com promoções que valem a pena para trazer aquela lembrança da viagem. Aproveitei que dois dias depois da viagem seria meu aniversário e trouxe vários para distribuir no escritório. Essa loja é em Zermatt.

    doiapoqueanovayork

    • Cailler

    Nos mercados suíços (Coop e Migros) dá pra encontrar excelentes chocolates por precinhos bem pequenos, por volta de 1€. A Cailler, que é a marca de luxo da Nestlé e a fábrica, no lado francês do país, oferece visitas e o passeio com o trem do chocolate.

    doiapoqueanovayork

    • Frey

    A Frey é uma marca de chocolates parecidíssima com a Lindt e também super em conta e disponível nos supermercados. Todos com versões e formatos muito similares entre si e o gosto, confesso que se não soubesse a marca, diria que eram todos Lindt. Também ótimas opções para souvenirs.

    doiapoqueanovayork

    Suiça · Zermatt

    Zermatt: Gornergrat, o observatório 360º dos Alpes Suiços

    Acorde cedo nesse dia para presenciar um nascer do sol especial: quando os primeiros raios de sol batem no Matterhorn, ele ganha tonalidades avermelhadas e fica ainda mais bonito. Dá para assistir da varanda do hotel sem passar frio nenhum!

    Suiça

    Prepar-se para subir o Gornergrat: verifique as condições do tempo lá em cima – nosso hotel tinha uma televisão com informações em tempo real de temperatura e visibilidade da montanha. E leve roupa de frio, pois mesmo no verão, lá em cima é bem frio e tem bastante neve.

    Suiça

    Gornergrat é o pico que tem a vista mais bonita do Matterhorn. E uma dica, se chegar na cidade e o tempo já estiver bom, aproveite para subir e não perca a oportunidade de ver todas as montanhas com o tempo limpinho. Nós bobeamos e deixamos para o dia seguinte que teve muita névoa.

    Suiça

    A subida é feita com um funicular. A estação fica bem em frente â estação de trens, no início da avenida principal. Dá pra comprar o ingresso online com antecedência ou na hora. Se tiver Swiss Pass você paga metade do valor.

    SuiçaSuiça

    A medida que o trem vai subindo você vai vendo a cidadezinha de Zermatt lá em baixo. A temperatura vai baixando e a paisagem vai dando lugar aos Alpes, cada vez mais nevados. Tente sentar-se do lado direito na subida, para ver o Matternhorn.

    Ovelhinhas!
    Ovelhinhas!

    Suiça

    O funicular faz algumas paradas em Estaçoes pré determinadas pelo caminho, com lanchonetes, lojinhas e hotéis de esqui, para quem vai lá basicamente para esquiar e quer ficar perto das pistas. Nós fizemos uma parada na estação “Rotenboden” e fizemos a trilha até o lago Riffelsee.

    Suiça

    De lá você terá vistas impressionantes do Matterhorn refletido no lago (li que no inverno a caminhada é super perigosa, com o lago e tudo o mais congelado, então não recomendo  a não ser que você tenha experiência e equipamentos apropriados – nós fomos no verao).

    Suiça Suiça

    Suiça

    A visibilidade quando chegamos não estava tao boa, mas a medida que caminhávamos, o tempo ia se abrindo e nos empolgamos.

    Suiça

    Subimos a pé uma boa parte do Gornergrat, atolamos em neve fofa, pegamos chuva, sol e vimos o Matterhorn a palmos do nosso nariz. Foi incrível!

    Suiça

    Quando já estávamos bem cansados, subimos até a parada mais próxima do funicular e o pegamos até o topo da montanha, onde fica o observatório.

    Suiça

    De lá de cima dá pra ter uma visão panorâmica dos Alpes junto com o Matterhorn de estrela principal.

    Suiça

     

    Além disso tem um shopping com lojinhas basicamente de chocolates e canivetes e um restaurante panorâmico. Pausa para essa garrafa com o Matterhorn dentro AND flocos de ouro!

    Suiça

    O problema é que quando chegamos, fuen fuen fuen… a névoa começou a aumentar e cobriu toda a vista das montanhas.

    Suiça

    Fizemos uma hora por lá, fomos almoçar no restaurante, nos sentamos conversando por umas duas horas e nada do tempo melhorar, pelo contrário, só piorava e começou a chover.

    Suiça

    Eu sabia que se ficássemos ali até o fim da tarde, o tempo abriria, mas não tem um lugar confortável para você fazer isso, sabe, ficar esperando por um tempo melhor. Estava tudo molhado, um frio, que não tivemos paciência de esperar. Além disso eu não queria perder o resto do dia lá em cima sem fazer nada se eu podia estar lá embaixo na cidade, no quentinho, passeando e tomando chocolate quente.

    Suiça

    Como já havíamos visto o Matterhorn durante nossa trilha e no dia anterior inteirinho, da varanda do nosso hotel, nos demos por satisfeitos e pegamos o funicular para descer.

    A vista sem névoa :(
    A vista sem névoa 😦

    Passeamos novamente pela cidade (que é linda), tomamos chocolate quente na Bäckrei Café Hörnli que foi uma bela surpresa – um ambiente super charmoso com direito a louça francesa, talheres de prata e luz de velas – nada como estar na Suiça. Lá é tudo sempre impecável!

    Suiça

    À noite eu tinha feito reservada no restaurante Schäfferstube que é um dos mais tradicionais da cidade e fica dentro do Hotel Julen. Gostamos tanto que fomos lá dois dias. É imprescindível fazer reserva pelo site aqui.

    Suiça Suiça Suiça

    O ambiente é rústico/ chique com paredes de madeira centenárias, lareira e cadeiras forradas com lã de ovelha. Um charme! Recomendo muito!