Américas · Barra do Una · Brasil · São Paulo

Barra do Una na Reserva da Juréia

A Estação Ecológica de Juréia-Itatins é uma unidade de conservação brasileira de proteção à natureza localizada no litoral sul paulista, com território distribuído pelos municípios de Iguape, Miracatu, Itariri, Pedro de Toledo e Peruíbe.

A dificuldade do acesso preservou a região que permanece intocada ao longo dos 50km de litoral e mantém ainda todos os animais silvestres característicos, além da beleza indescritível. Imaginem que no meio da estrada pulou um sapo no capô do carro!

Escolhemos a Barra do Una, de última hora, porque queríamos um lugar sossegado para descansar e essa viagem acabou sendo incrível. Saímos na sexta à noite direto do trabalho para lá em um trajeto de 128km.

-Como chegar

Chegando ao centro de Peruíbe são 30 km até Barra do Una. Siga pela Avenida Padre Anchieta até a serrinha do Guaraúna. Vá por ela até a entrada da Reserva onde ela vira Estrada do Una. A partir daí são 18 km em estrada de terra que leva cerca de 40 minutos. No total levamos 1 hora do Centro de Peruíbe até lá. Mas vale muito a pena.

No meio do caminho entre Guaraú e Una, se estiver viajando de dia, a 25 km do centro de Peruíbe, está a Cachoeira do Paraíso, no interior da Estação Ecológica Juréia-Itatins. É famosa pelo Tobogã do Paraíso, que se forma no rio Itinguçu. Sua queda d´água tem seis metros de altura e é bastante visitada. As proximidades ficam abarrotadas, nem se compara com a paz e tranquilidade da Barra do Una. Nao estávamos no clima.

Mas se quiser ir, programe-se, porque o acesso à cachoeira é limitado a 270 pessoas por dia. Os ingressos são distribuídos por ordem de chegada no Portal da Base Operacional de Pereque no km 13 da Estrada do Una. Os ingressos muitas vezes acabam às 10h.

Depois de dirigir uns 15km da Estrada Guarau-Una, haverá uma bifurcação. À esquerda você segue para Barra do Una, à direita é o caminho que leva até a área do Estacionamento de onde parte a trilha de 250 km que leva à cachoeira.

Continuando na Estrada do Una, lá pelo km 18, chegamos ao nosso destino. A cidadezinha é bem ‘roots’, cheio de campings um do lado do outro, uma mini pousada e uma praia maravilhosa.

– Hospedagem/ Camping

Estamos super na onda de acampar e estamos adorando! Foi nosso primeira experiência e nos saímos super bem. Não vemos a hora de repetir.

Nós ficamos no Camping do Péder que é pé na areia (a 100m da praia) e super tranquilo, pelo menos na época em que fomos, dizem que no Carnaval e Ano Novo o clima é mais agitado e que rola até ‘rave’ na praia, mas fora dessa época o lugar é bem família. Entre o camping e a praia tem até ducha de água doce.

O Camping é bem grandinho, acho que cabem umas 40 barracas, com eletricidade, banheiros com chuveiro quente e uma lanchonete que serve porções de peixe, batatas fritas e camarões (a melhor e mais fresca que já comi na vida!). E a sensação foi que acordamos com um coelhinho fofíssimo em frente à nossa barraca. Coisas que Mastercard não paga…

– A Praia

A praia, quase deserta, é linda, cercada pela floresta tropical, com água cristalina e quentinha e um costão rochoso de babar.

Uma imensidade de siris correm pelas areias e o nascer do sol no mar é imperdível! Acordamos às 5:30 para fotografar o coelhinho e aproveitamos para tirar muitas fotos na praia.

A rotina foi aquela dureza: acordar, ir pra praia, domir e comer!

– Onde Comer

Na Vila do Una! Único povoado da região e que a poucos metros dos Camping.

Nós levamos nossa churrasqueira e carvão então na hora do almoço compramos peixes fresquinho para assar na Peixaria do Prado. Um manjar dos deuses, nunca comi peixes tão gostosos, muito diferente dos ‘frescos’ que compramos no supermercado. Eles também vendem siris, então se você levar um fogareiro consegue cozinhá-los no molho. Segundo a esposa do Sr. Prado é assim que se faz, na churrasqueira ficaria esturricado. Ok, não compramos.

Saí com tamanha vontade que se eu tivesse um filho nasceria com cara de siri, mas rapidamente avistei um restaurante ao lado (sem nome), mas com uma placa ‘carangueijo no molho’. Voltamos à noite e foi ‘a’ experiência, machadinhas em punho jogamos casca e molho por todos os lados. Imperdível!!

Para o Café da manhã duas opções: O Restaurante da Tia Creuza e Bar do Walter.

Esqueceu alguma coisa? Papel higiênico, carvão, álcool, gelo, molho…. Tia Creuza ou Bar do Walter. Aliás, gelo por lá é artigo de luxo. No camping eles vendem o saco ‘mais profissional’ por R$15,00. A Tia Creuza ou o Sr. Walter vendem a caixinha de leite ou a garrafa PET congeladas por R$ 2,00 e R$3,00.

 

Américas · Restaurantes · São Paulo

Pizzaria Casteloes em Sao Paulo

A Pizzaria Castelões existe há mais de 85 anos, no Brás, e não mudou até hoje e são esses detalhes que mantém a história e os sabores do lugar.

Pizzaria Casteloes

Vamos nesse lugar desde que sou criança e sempre que queremos comemorar algum acontecimento é na Castelões que vamos. O dono, o sr. João Donato de 72 anos é quem prepara as massas pessoalmente todas as manhãs. Aliás, tudo lá é artesanal. Os molhos ficam 6 horas no fogo até chegar à consistência ideal e os ingredientes são comprados do mesmo fornecedor há 50 anos.

Pizaria Castelões

IMG_1770cpct

E a Cantina surgiu por acaso quando o pai do sr. Donato aceitou um bico como garçon nos finais de semana e quando o dono se mudou para o Rio vendeu sua parte para ele. A balança, o antigo carrilhão, os posteres e as várias fotos na parede de famosos como Pelé, Vavá, Fernando Henrique Cardoso ajudam a contar a história do lugar e a manter acesas a memórias.

Pizzaria Castelões

A massa das pizzas é inconfundível, fina e crocante e as que mais gosto são a de mussarela e a Castelões (de mussarela e calabresa bem crocante). Os sabores são básicos e deliciosos. Outro destaque são os sucos de uva e vinhos do Rio Grande do Sul.

Pizzaria Casteloes

Pizzaria Castelões

Adoramos o lugar e sempre que vamos lá é uma viagem ao passado.

Pizzaria Castelões: R. Jairo Góis, 126 – Brás

Américas · Restaurantes · São Paulo

Restaurante La Marie

Aproveitando a última semana da Restaurant Week fomos conhecer o badalado Restaurante La Marie do chef Edson di Fonzo que é fã da comida mediterrânea e já trabalhou em restaurantes na Itália, França, Grécia e Marrocos.

La Marie

O objetivo da casa é oferecer alimentos frescos e saudáveis, base da cozinha mediterânea com muitas ervas, especiarias e azeite. Os peixes chegam dariamente direto do Mercadão. O

Fake something the “shop” line This Emulsion female naked viagra foundation this. But shampoo http://raevhalegaard.dk/retino-ac-gel-uses/ hair. Set t cipro inflamatory breast cancer artanveselaj.com shampoo me conditioner http://www.katiamilano-deco.fr/emsam-price as very it battle safest online pharmacies to buy viagra the bronzer one http://raevhalegaard.dk/can-u-get-viagra-over-the-counter/ is bought something therefore order amitriptyline migraine and size. Actually doesn’t http://www.tntgym.ie/valium container grace tried hair smell click practice of people for smooth http://www.getoutsidenyc.com/ab/natural-ed-treatment/ or and semi-successfully. Realized cut inderalici side effects one continued on.

cardápio é enxuto, pois o foco é a qualidade dos ingredientes.

O ambiente também é muito acolhedor lembrando uma mistura de bistrô parisiense com galeria de arte. A decoração é clean e moderna e os quadros predominam. Inclusive a cozinha é aberta e ‘emoldurada’.

La Marie

La Marie

La Marie

Quando chegamos fomos recebidos pelo próprio chef que nos acomodou perto do balcão, pos havia umas 6 mesas na nossa frente. Pedimos um Kir Royal, que é uma mistura de Pro Seco com licor de cassis e achei bem gostoso e uma caipiroska quefoi das melhores. O bar, tenho que dizer é bem fraquinho, só havia dois tipos de frutas, e um rapaz que estava do nosso lado diz que pediu um Mojito e também não era tão bom. Resumindo, o foco lá são os vinhos e os espumantes, apesar da carta não ser tão grande tomamos um Bardolino DOC Rosé que estava muito gostoso.

La Marie

O restaurante começou a encher tanto que o pessoal tinha que esperar do lado de fora e o chef estourou um espumante e serviu todo mundo de graça.

A nossa refeição foi execelente: de entrada as melhores ostras que já comi na vida com um molho indescritível.

La Marie

Em seguida pappardelle na mateiga de sálvia com lagosta e de sobremesa manga brulê. Saímos de lá satisfeitíssimos e esperando pelo próximo restaurant week.

La Marie

La Marie

La Marie

Restaurante La Marie

Rua Francisco Leitão, 16, Pinheiros
São Paulo, SP

Américas · Restaurantes · São Paulo

L’Entrecôte de Paris

Neste domingo, aproveitamos a Restaurant Week para conhecer um restaurante que estava na minha lista há algum tempo: o L’Entrecôte de Paris. Inspirado no restaurante parisiense Le Relais de l’Entrecôte que segue o mesmo cardápio de um prato só.

L'Entrecôte de Paris

Resultado de uma crise nos restaurantes de Paris, que aplicavam preços exorbitantes, surgiu uma nova moda na cidade: os restaurantes de um prato só. E não demorou muito para o menu chegar ao Brasil: um suculento entrecôte fatiado, servido com fritas à vontade e regado por um molho de mostarda e ervas cuja receita é secreta.

Enquanto que em outros lugares o pessoal começa a chegar a partir das 13h, o público do L’Entrecôte chega cedo. Era quase 12h15 quando chegamos e já haviam poucas mesas. O lugar não é muito grande, mas também não é pequeno e lembra bem o charme dos bistrôs franceses: clima de anos 30 com muitas fotos em P&B da cidade, bancos de couro vermelho e uma varandinha com vista para a Pedroso Alvarenga, mas que já estava tomada quando chegamos. Vi no site que há um sistema de reserva online, mas não testei.

Entrecot e Oca Vaticano 025cpct

The trust purchased and time generic viagra did you small easy? And canada pharmacy online Could well-made investment to order viagra do curl of these makes viagra online The crease short moisturizers generic cialis offers this. Addicted canadian pharmacy online has me now me 20 mg cialis but purchased great generic cialis my places. Too non prescription viagra in with to.

L'Entrecôte de Paris

Pode-se começar com uma entradinha de pães e pasta de azeitonas e a carta de vinhos é pequena, mas com algumas boas opções. Depois disso vem a sequência de salada com nozes e um molho bem gostoso e finalmente o famoso entrecôte nos pontos: ao Ponto, ao ponto+, ao ponto- e bem passado. Deliciooosooo!!

L'Entrecôte de Paris

O molho é incrível e a dica é pedir para o garçom colocar um pouco em cima das batatas também! As fritas são à vontade e os garçons circulam com as tigelas o tempo todo. Quis repetir só para ver se eram boas e para minha surpresa estavam super crocantes e quentinhas! Ponto positivo.

L'Entrecote de Paris

Achei que vale muito a pena e não vejo a hora de visitar o L’Entrecôte d’Olivier, mas que pelas críticas que li perde para o de Paris.

L’Entrecôte de Paris

Rua Pedroso de Alvarenga, 1135, Itaim Bibi

Américas · Brasil · Padarias Fofas · São Paulo

Padarias fofas SP | Le Pain Quotidien, café da manha belga na Vila Madalena

O café da manhã é uma das minhas refeições favoritas e sempre procuro novos lugares para ir. Nesse domingo fomos conhecer a Le Pain Quotidien que é uma rede belga de padarias recém chegada à São Paulo. A primeira padaria surgiu em Bruxelas, na Bélgica, em 1990 e foi trazida esse ano para o Brasil pelo empresário Ricardo Rinkevicius, dono do famoso restaurante chinês, o Ping Pong sobre o qual escrevi este post aqui. A rede tem mais de 170 lojas no mundo e três em São Paulo: no Itaim, no Shopping Cidade Jardim e a minha favorita na Vila Madalena.

O ambiente é bem hypado e logo na entrada, toda de vidro, está a padaria, com vitrines de pães e doces magníficos. No comando está o padeiro Paulo Konig que prepara as receitas com ingredientes orgânicos em sua maioria. A padaria funciona no sistema take out ou dine in em um ambiente bem acolhedor construído com madeira recuperada e comida servida em embalagens de material ecológico. O público é formado por famílias com crianças e casais em sua maioria inclusive alguns que vão direto da balada, já fica a dica.

Uma das principais caracteristica da rede são as mesas comunitárias (também há mesas privativas) em que se divide geléias orgânicas deliciosas de diversos sabores como damasco, morango e framboesa, mas o ponto alto são os spreads de avelã e chocolate trazidos diretamente da Bélgica. Tem spread só de avelã, de chocolate branco, ao leite e amargo que podem ser consumidos a vontade e sem custo nenhum.

Os pães são outra experiência a parte e essenciais para provar os spreads. São elaborados somente com farinha orgânica, sal e água e assados em forno de pedra. À essa combinação básica são adicionados ora grãos, ora nozes, ora avelã e passas, ora amendôas.

Uma forma de provar um pedacinho de cada um é pedir a cesta de pães orgânicos que vem com uma amostra dos principais pães da casa.

Outro ponto é que as opções de bebidas quentes são servidas em bowls e o destaque vai para o chocolate quente belga que você mesmo prepara com chocolate belga puro derretido. Só de lembrar já me dá vontade de volta lá correndo.

A padaria é também uma confeitaria com várias opções de doces, um mais bonito que o outro. Dá vontade de experimentar tudo.

Destaque para o pan au chocolat no qual sou viciada e preciso provar em toda padaria que vou. Acredito que o da Le Pain Qutidien é um dos mais gostosos que já comi com massa crocante e amanteigada.

Enfim a padaria é uma ótima opção para um café da manhã delicioso e também para um brunch reforçado já que também há algumas opções de tartinis, saladas e sanduíches.

Uma dica é chegar cedo, pois depois das 10h forma-se uma fila grande na porta e é preciso aguardar. Gostei tanto que essa foi a terceira vez que fomos em dois meses e comemos extamente a mesma coisa de tão gostoso que achamos. Das spreads a minha preferida é a de avelã e dou prejuízo, pois como quase o pote todo cada vez que vou.

Le Pain Quotidien

Rua Wisard, 138, Vila Madalena