Assis · Europa · Italia

Pit stop na Umbria, a cidade Sao Francisco de Assis na itália!

Assis é uma cidadezinha na regiao da Umbria na Itália, bem ao lado da Toscana, e facimente acessível tanto de carro como de trem a partir de Florença ou de Roma. A Umbria fica na regiao central, bem na metade da itália e sua famosa capital Perúgia é bastante conhecida pelos chocolates, quem nao conhece o famoso chocolate Baci? Pois é, é de lá.

Mas a Umbria é especialmente famosa pela cidadezinha de Assis, localizada no alto de uma colina, berço de Sao Francisco de Assis (1181-1226) cidadao mais ilustre e patrono da cidade. Além do interesse religioso, Assis tem um grande interesse arquitetônico, é linda, aconchegante e agradável e por isso recebe milhares de turistas por ano.

Nós chegamos de trem a partir de Florença, fazendo um pit stop na cidade antes de seguir a Roma. Portanto comprei os trechos Florença-Assis/ Assis-Roma com um intervalo suficiente para conhecer a cidade. O trajeto de Florença a Assis é direto, as paisagens lindas e o caminho dura mais ou menos 2,5 horas. A segunda perna da viagem até Roma dura 2 horas.

A estaçao de trens de Assis nao tem um guarda-volumes oficial, mas na única lojinha/ banca de revistas dentro da estçao é possível guardar as malas por um dia por uma taxa de 5 euros por mala.  A lojinha também vende os tickets do ônibus (4 euros ida e volta) que te deixará em pleno centro histórico da cidade.

O ônibus faz duas paradas, uma na parte baixa onde ficam os estacionamentos e a Porta Nuova (porta de entrada da cidade) e outra na parte alta, onde está a cidadezinha. Nós descemos na parte baixa e fomos subindo suas ladeiras e admirando suas torres e casas medievais.

Ao fundo a Rocca Maggiori

Passamos pela Basílica de Santa Clara, discípula de Sao Francisco, construída entre 1257 e 1265, com uma fachada de beleza simples feita em pedras branca e rosa.

Logo chegamos à Basílica de Sao Rufino que conserva em seu interior a fonte em que foram batizados Sao Francisco e Santa Clara.

Aproveitamos a pracinha super aconchegante e comemos umas piadinas maravilhosas em uma das esquinas da Praça, na Pizza al Taglio (Via Dono Doni, 2).

Na metade do caminho chegamos à Piazza del Comune, super movimentada e cheia de restaurantes.

Aí fica o Templo de Minerva, construído como um Forum pelos Romanos e hoje convertido na Basílica de Santa Maria.

Finalmente novamente na parte baixa da cidade, mas do oposto de onde nos deixou o ônibus, chegamos à Basílica de São Francisco, que está dividida em duas partes: a Inferior e a Superior, construídas em momentos diferentes, mas conectadas entre si.

Construída entre 1228 e 1253 foi consagrada ao Santo nesse mesmo ano. Os afrescos do século XIII representam cenas da sua vida e sao atribuídos a Giotto e Cimabue.

Já a cripta abriga os restos mortais de Sao Francisco e seus únicos bens materiais, um hábito e duas alpargatas. Há fila para acender velas e rezar e é necessário cobrir ombros e pernas para adentrar à Basílica.

Nosso roteiro:

Italia · Verona

Roteiro de 1 dia em Verona (bate e volta de Veneza)

Pegamos um trem de Veneza até Verona o que nos tomou cerca de 1 hora. A melhor estação de Verona é a ‘Verona Puerta Nuova’, pois é a mais próxima dos pontos turísticos. Verona é a uma das cidades mais famosas da Itália, eternizada por William Shakespeare através do romance de Romeo e Giulieta e do mais recente filme ‘Cartas para Giulieta’ de Franco Zeferelli. É também, depois de Roma, a cidade com o maior número de ruínas romanas.

É uma cidade linda e compacta e é possível conhcê-la toda a pé. Da estação de trem é possível caminhar até a Praça Bra (levar cerca de 10 minutos) ou pegar um táxi que te deixará nos portões da praça, contruídos em 1480.

Piazza Bra

Considero a Praça Bra como o ponto de partida para explorar a cidade e é onde se concentra toda a ‘vida social’ da cidade, com diversos cafés, restaurantes e ‘pocket shows’. A maioria dos restaurantes oferece vista para a Arena.

Arena di Verona

Chegamos bem cedo, por volta das 7, e a cidade ainda estava meio vazia. Fomos direto para a Praça Bra onde fica a Arena di Verona e aproveitamos para tirar milhares de fotos sem ninguém na frente. A Arena é um coliseu onde hoje acontecem diversos shows e, na época de verão, a temporada de Ópera de Verona.

É o terceiro maior anfiteatro da Itália e tem capacidade para 25 mil pessoas. Além disso logo atrás estão várias casas coloridas em tonalidades que se alternam entre o ocre, o laranja e o amarelo e que datam do século XIX. É uma delícia passar um tempo ali, o clima da praça é muito gostoso e apesar dos -3ºC não queríamos sair dali.

Paramos então para uma ciocolata no Café Vero (não deixem de provar, parece chocolate derretido).

O Café Vero fica bem em frente à Arena de Verona e as casinha coloridas que a rodeiam. É a desculpa ideal para ficar ali admirando-as um pouquinho mais.

Seguimos então para a Piazza delle Erbe que é uma das mais antigas de Verona. A praça é bem bonita e lá estão os quatro principais palácios da cidade e a Fontana de Madonna Verona. No dia que chegamos havia uma feirinha de artesanatos e já aproveitamos para comprar os imãs e enfeites de Natal que compramos em todas as viagens.

Piazza delle Erbe

Também aí está o Arco della Costa que dá acesso à Piazza Dante com importantes edifícios em estilo gótico.

Arco della Costa
Piazza Dante

Dali seguimos pela Via dei Capello até a ‘Casa di Giulieta’, que é a atração mais famosa de Verona. Leia o post aqui.

Casa di Giulieta

A principal rua de compras é a Via Mazzini que liga a Piazza Bra com a Piazza delle Erbe com várias lojas de grifes internacionais, além de lojas mais populares como Zara e outras de marcas italianas.

Via Mazzini
Desfile de Carnaval na Via Mazzini

No final, pegue a Via Roma e vá até o Castelvecchio que hoje abriga o Cívico Museo di Arte um dos mais importantes da Itália. Construído à direita do rio Ádige serviu a princípio como residência de nobres italianos, mas após a invasão Napoleônica, passou a servir como centro de controle visual da cidade. A Ponte Scaligero dá acesso exclusivo ao castelo servia como via de fuga do Vale de Ádige.

 

Europa · Italia · Verona

Visitando a Casa da Julieta em Verona

Uma das atrações mais visitadas de Verona é a Casa da Julieta. E é muito fácil chegar lá: a partir da Piazza delle Erbe, basta seguir pela Via dei Capello até a ‘Casa di Giulieta’.

A propriedade medieval data do século XIII e passou por muitas reconstruçoes e varios proprietários. Devido a uma lenda popular de que essa foi a casa de Giulietta Capuleti o governo da cidade de Verona adquiriu parte da propriedade e a transformou em um museu. A entrada da casa fica na rua Cepelli (nome da última família proprietaria) e é bem pequenininha, dando vista a um enorme pátio.

Mas antes de chegar ao pátio, do seu lado esquerdo, há uma parede toda rabiscada em que você pode assinar ou deixar suas juras de amor.

Ao entrar no pátio, logo de cara você verá a famosa estátua de Julieta cuja tradição manda passar a mão no peito direito dela para trazer sorte e dinheiro.

 

A parede ao lado fica cheia de papeizinhos espetados entre os tijolos com pedido de amor à Julieta, meio que inspirado no filme. Ao lado da estátua fica um portão onde se pode colocar cadeados com o nome do casal para amor eterno.

Não tem cadeado? Não se preocupe, há uma lojinha ao lado do portão que já vende o kit: cadeado + canetinha + chave, a qual deve ser jogada no rio depois que o cadeado é colocado no portão para que nunca ninguém possa abrí-lo.

Depois de tudo isso é hora de conhecer a Casa da Giulieta. A entrada custa 6 Euros e dá acesso aos quartos em que o filme foi filmado e a vários dos figurinos utilizados na época de Julieta.

Também há algumas obras de arte de artistas italianos como Giovanni Rana. É claro que essa nao é casa oficial da Giulietta, ela foi usada como cenário para o filme, mas é só usar a imaginaçao e o programa é bem divertido.

Na minha opiniao entra na casa nao vale muito a pena, o mais legal é poder entrar na sacada em que Julieta supostamente falava com Romeu. Nao esqueça de pedir para que alguém fique lá embaixo para tirar uma foto sua!

Casa di Giulietta

Via Capello 23, Verona, Itália

Italia · Sardenha

Sardenha | Como montar seu roteiro de praias pela ilha

A Sardenha é a segunda maior ilha do mar Mediterrâneo entre a Itália e a Espanha e ao sul da Ilha francesa de Córsega.

As distâncias são relativamente grande entre um lado ou outro da ilha e por isso há 3 possibilidades de roteiro: Noroeste (aeropoto de Alghero), Nordeste (aeroporto Olbia) ou sul (aeroporto Cagliari).

sardenha

– Em qual cidade chegar e se hospedar

Dependendo de qual das 3 zonas/ áreas que você quer conhecer você pode:

  1. Nordeste (aeroporto de Ólbia): hospede-se nas cidades de Porto Cervo ou Ólbia. É aí que fica a famosa Costa Esmeralda. Também será sua base para visitar as ilhas próximas de Córsega e Magdalena;
  2. Noroeste (aeroporto de Alghero): hospede-se em Alghero. Também é base para conhecer uma das praia mais bonitas da regiao, a La Pelosa um pouco mais ao norte;
  3. Sul (aeroporto de Cagliari): hospede-se em Cagliari para conhecer o sul da Ilha.
  4. E se tiver pelo menos uma semana por lá, chegue pelo Aeroporto de Alghero e saia pelo de Ólbia para conhecer o melhor da Ilha e monte base em duas cidades.

– O que visitar/ melhores praias

Sardenha

Noroeste (Sassari)

Com base em Alghero dá pra conhecer todas as praias da Costa Oeste com no máximo 30 minutos de deslocamento.Você pode conhecer as praias de carro, mas atençao que é proibido entra com carro no centro histórico, se você se hospedar por lá, e tem pouco lugar para estacionar por perto.

As mais bonitas para o norte de Alghero são La Bombarde, Lazaretto, Mugoni e vale esticar até Capo Caccia para ver a Gruta de Netuno.

Sardenha

Também vale um bate e volta até a praia La Pelosa, já no norte da ilha que levará 1 hora mais ou menos. Para todas essas praias é possível ir de carro ou com o Beach Bus. As exceçoes sao La Pelosa e Bosa às qual se chega com ônibus regular ou com tour privado.

Bilhetes ônibus: o bilhete para o Beach Bus você compra dentro do próprio ônibus com o motorista por 5 euros (paradas ilimitadas dentro de 24 hs). A parada principal fica na Via Catalogna.

Sardenha

O bilhete para os ônibus regulares (que inclui o do aeroporto) você compra ou diretamente com o motorista ou no quiosque da ARST, que é a companhia de ônibus da Sardenha, na Via Catalogna. Nesse mesmo quiosque, compra-se o bilhete de ônibus para o aeroporto, que é super confortável e vale 1 euro contra 30 euros do táxi.

Nordeste (Ólbia)

Sardenha

Nesta parte da ilha começa a famosa Costa Esmeralda e aqui você precisará alugar um carro. Recomendo a Sicily by car (que é a low cost da Auto Europe) Além de mais barata, tem menos burocracias e que te aluga carro somente com a permissao européia de dirigir provisória, mas claro que só descobri isso lá.

Quando cheguei à Barcelona, entreguei minha carteira brasileira e solicitei a espanhola, mas ela nao ficou pronta a tempo e tive que cancelar esta parte da nossa viagem (fizemos somente a parte Noroeste até Capo Caccia). Outra dica é alugar o carro com bastante antecedencia, pois o preço sobe muito perto da data da viagem e nao há carros suficientes para todos os turista, ou seja, nada de alugar no balcao ou você ficará na mao.

Com base em Porto Cervo, dá pra conhecer o norte, como Santa Teresa de Gallura com alguns pontos famosos como Capo testa, Spiaggia di Cala Espinosa e a Torre di Logosardo.

Sardenha

Também é a base perfeita para explorar as ilhazinhas da regiao:

Troque de base, agora, e hospede-se em Ólbia. No primeiro dia pode-se visitar a Spiaggia Capriccioli (8km), Spiaggia del Principe (10km), e a Spiaggia de Portisco (12km) que estão próximas umas das outras.

No segundo dia, um pouco mais para o sul, visite a Cala Moresca (34km), a Cala Girgolu (50km) e Porto San Paolo (7km).

 

Vale a pena alugar carro?

Como comentei acima, nosso plano inicial era alugar um carro e fazer a parte Noroeste e Nordeste da Ilha. O carro além de de dar mais conforto te permite descobrir várias praia e calas escondidas, que sao o verdadeiro charme da regiao. Como nao pudemos alugar fizemos somente a parte Noroeste e fomos de praia em praia com o Beach Bus.

Se sentimos falta do carro? Sinceramente nao e demos graças a Deus que nao tínhamos que buscar lugar para estacionar, pois como você pode imaginar a ilha, em pleno Agosto, é lotada! Visitamos todas as praias que queríamos, subimos até Cappo Caccia, super confortáveis e com ar condicionado, nos hospedamos no Centro Histórico e visitamos varios restaurantes a pé. Eu alugaria um carro no último dia, em que vocë estiver deixando Alghero, visitaria La Pelosa ao Norte e seguiria para a Costa Esmeralda, onde sim, o carro é essencial.

 

Europa · Florença · Italia · Toscana

Roteiro de carro pela Toscana

Quando comecei a planejar nossa segunda viagem para Florença, rapidamente decidi encaixar alguns roteiros de carro pela Toscana.

Depois de algumas pesquisas e de acordo com os dias que tínhamos disponíveis me centrei em 2 rotas principais: o Val d’Orcia e a Via Chiantiana por reunirem todos os clichês toscanos que estávamos esperando: montanhas verdes salpicadas por cidadezinhas medievais fofas, corredores de ciprestes, prados cheios de flores e muito vinho Chianti, o mais tradicional da regiao.

  • Como chegar

A melhor maneira de se chegar à Toscana é de aviao. As melhores bases para começar sao Florença e Pisa, dependendo de onde vem seu vôo.

Se você já está visitando alguma outra parte da Itália, como nós, que estávamos em Veneza, a melhor maneira de chegar a Florença é de trem. As distâncias na Itália sao pequenas e os trens além de confortáveis sao super baratos. Compre diretamente no site da Trenitalia 1 mês antes da data da sua viagem, quando a compra e os descontos online sao liberados.

Você conseguirá comprar online e com antecedência, somente as viagens interestaduais. As viagens locais, dentro da Toscana, ou dentro de Lázio você só consegue comprar diretamente na bilheteria ou nas máquinas de venda de tickets na própria estaçao de trem da cidade em que você está. É super simples e nao precisa comprar antecipado.

  • Como alugar o carro

A melhor forma de conhecer as inúmeras cidadezinhas espalhadas pela Toscana e ainda curtir toda a beleza do caminho é de carro.

Dirigir pela Toscana é fácil. Além da qualidade das estradas, tudo é muito bem sinalizado e com GPS fica impossível nao achar o caminho certo. Na maioria das cidades, antes da entrada há estacionamentos públicos, pagos com parquímetro, só preocupe-se em respeitas os limites de velocidade e regrinhas em geral porque há muitos radares escondidos por lá.

Nós recebemos 3 multas, que chegaram depois na fatura do meu cartao de crédito, simplesmente porque por nao conhecer os caminhos, pegávamos alguma via nao autorizadas ou excedíamos um pouco na velocidade.

Sempre alugue o carro com antecedência principalmente se vai viajar na alta temporada. Além de garantir a disponibilidade, a tarifa online é sempre mais barata que a do balcao. Nao esqueça de incluir tudo o que você vai precisar no carro como GPS, cadeirinha de criança, etc. porque esses itens também podem acabar e você acabar ficando sem. Muito importante também é contratar no balcao da locadora o seguro completo que inclua danos de terceiros. O seguro completo que você contrata online  nao garante tudo o que você precisa, peça o completo no balcao, mesmo que quase dobre o preço da diária.

Se acontecer alguma coisa com o carro, seja culpa sua ou de terceiro, você nao terá que pagar nada mais por isso. Os seguros que nao sao completos te cobrarao uma franquia pelo dano. Uma vez em Belfast alguém bateu no nosso carro no estacionamento do Parque do Giant Causeway e tivemos que pagar a franquia de 250 libras! Isso porque tive um ataque de pao durismo achando que nao iria acontecer nada porque nunca tinha acontecido, pois é aconteceu pela 1ª vez justo quando eu nao tinha feito o seguro completo.

Além disso sempre, mas sempre escolha um carro que te ofereça kilometragem ilimitada, porque de outra maneira você terá um limite de quilômetros e se excedê-lo terá que pagar uma taxa por quilômetro ultrapassado e gasolina cheio-cheio, o que significa que te darao o tanque cheio e você deve devolvê-lo cheio. É a opçao mais barata.

Para pesquisar o preço dos carros entre as várias locadoras e encontrar o melhor custo-benefício eu sempre uso a Rentalcars.com

  • Roteiro

Na prática, nós ficamos 6 dias e 5 noites em Florença e nosso roteiro ficou assim:

Dia 1: Florença (chegamos de trem de Veneza (roteiro aqui))

Dia 2: Florença (veja roteiro aqui)

Dia 3: Vale d’Orcia: Montalcino, Pienza e Montepulcciano (alugamos um carro em Florença)

Dia: 4: Florença (veja atraçoes imperdíveis aqui)

Dia 5:  Via Chiantiana: Siena, San Gimignano e Volterra (Devolvemos o carro em Florença no final do dia)

Dia 6: Florença – Assis (parada) – Roma (roteiro aqui)

Nao incluimos Pisa (roteiro aqui), pois já conhecíamos da primeira vez que visitamos a Toscana, mas para quem nao conhece vale incluir um dia mais para conhecer Pisa e emendar con Lucca que é bem ao lado. Veja o post de Pisa aqui.

Quem tiver mais um dia também pode incluir no roteiro Cinque Terre, uma das regioes mais turísticas da Itália formada por cinco “terras”: Vernazza, Corniglia, Monterrosso al Mare, Riomaggiore y Manarola. Você precisará dirigir até La Spezia, estacionar o carro e de aí comprar um bilhete que te dá direito a conhecer as cinco terras, algumas em trem e outras em barco. Na minha opiniao, elas sao bem parecidas com a Costa Amalfitana, ou seja, fogem um pouco do conceito de Toscana, mas se eu tivesse mais um dia, as teria incluído no roteiro.

Em resumo, um roteiro ideal pela Toscana seria de 8 dias, para conseguir conhecer os principais pontos. Portanto, conforme os dias que você tenha, decida o que mais te agrada e reduza ou amplie seu roteiro por lá.