Américas · Antonina · Brasil · Curitiba · Morretes · Paraná

Curitiba | Passeio de trem até Morretes

Morretes é a cidade de veraneio de quem mora em Curitiba e juntamente com Antonina e Paranaguá formam são as cidades mais turísticas do litoral paranaense. O Passeio de Trem entre Curitiba e  Morretes é imperdível e uma das atrações da cidade.

A forma mais tradicional de se visitar a região é com o trem da Serra Verde Express. Há vários pacotes que valem super a pena. Os mais comuns são o Pacote Turístico, o Executivo e o da Litorina de Luxo. Como tenho uma amiga que mora em Curitiba, ela me deu essa super dica e compramos diretamente com eles, o que sai muito mais barato. Mas toda agência de Curitiba oferece esse passeio e inclusive o concierge do nosso hotel pode te indicar uma de confiança. Fechamos tudo por telefone ((41) 3888-3488) e e-mail. Eles são bem rápidos e eficientes: enviam o orçamento com várias propostas e você escolhe a que mais lhe interessar.

Nós queríamos litorina, mas como entrei em contato na mesma semana da viagem, já não havia mais lugares disponíveis. É um vagão bem no estilo “Éramos Seis” de um vagão, com decoração de luxo dos anos 30 e open bar a vontade, mas precisa reservar com pelo menos umas duas semanas de antecedência.

Acabamos fechando o Pacote Executivo que inclui:

– traslado do hotel até a estação de trens;

– viagem em trem executivo de Curitiba até Morretes + lanche;

– almoço típico com barreado;

– city tour com guia em Morretes e Antonina;

– volta de ônibus pela estrada da Graciosa (o que reduz o trajeto de 3 horas do trem para 1 hora)

Ao chegar na estação de trem, o guia distribui as passagens. Em cada um dos vagões há um guia da própria empresa de trens que vai contando a história da cidade, orientando sobre os melhores momentos para fotos e apontando os pontos famosos ao longo do caminho.

O trem vai bem devargazinho e percorre os 90 km entre Curitiba e Morretes em 3 horas. A paisagem é muito bonita com mata nativa, cânions e ruínas da época do Império.

Há paradas graduais na linha, pois ele divide o trilho com os trens de carga, mas são bem rápidas e no meio do caminho é servido um lanche.

Chegamos em Morretes e começamos o passeio pela cidade que é bem histórica, me lembrou um pouco Paraty.

Até o século XVI a cidade era ocupada pelos índios carijós, mas com a descoberta de jazidas de ouro na região, ela passou a ser ocupada por portugueses, mineradores e aventureiros que chegavam na maioria por embarcações no Porto de Paranaguá.

A economia, o comércio e a indústria começaram a crescer e os engenhos de beneficiamento de erva mate começaram a despontar, porém com a chegada dos trilhos da Estrada de Ferro Paraná a cidade acabou perdendo sua importância.

A cidade é bem histórica, com casarões imponentes e muitas lojas de artesanato com as famosas panelas de barro em que é feito o prato típico da região, o barreado.

Aliás uma coisa que não falta por lá é banana por causa do clima tropical e úmido. É a maior concentração de doces bananinha, balas de banana, chips de banana, cachaça de banana e farinha de banana por metro quadrado!

 

Serra Verde Express

Av. Presidente Affonso Camargo, 330, Curitiba/ PR, Tel. (41) 3888-3488

Américas · Antonina · Brasil · Curitiba · Paraná

Antonina | A mais antiga cidade do litoral paranaense

Passamos a manha em Morretes, leia o post aqui, e em seguida esticamos até Antonina pela BR-277, a antiga Estrada da Graciosa.

Antonina foi uma das primeiras cidades habitadas do Paraná, incialmente pelos índios e mais tarde com a intensificaçao da caça ao ouro. Como já era hora do almoço, nossa primeira parada foi no melhor restaurante da região, o holandês Buganvil. É o único na região que ainda prepara o barreado na panela de barro e no fogão a lenha.

Pedimos o tradicional barreado (uma espécie de carne louca) é o prato típico do litoral paranaense. Pedimos o barreado completo que além do barreado propriamente dito, vem o acompanhamentos (arroz, farinha de mandioca e banana frita) e mais camarões e peixe empanado.

Discute-se se o prato foi criado em Morretes, Antonina ou Paranaguá. Os antoninenses que possuem a mais forte tradição carnavalesca do Paraná (inclusive as arquibancadas do sambódromo do Rio/ SP foram inspiradas nas arquibancadas da ‘Sapucaí’ de Antonina), tendem a associar o Barreado ao “Entrudo” que era a refeição feita depois do baile para dar ‘sustância’.

Já os morretenses dizem que a origem do barreado vem dos tropeiros, que durante o ciclo da erva doce, traziam do planalto, quando desciam o caminho da Graciosa, um cozido bem temperado que durava muitos dias sem que se deteriorasse.

Já o nome do prato vem da expressão “barrear a panela”, pois a panela é vedada com pirão de farinha de mandioca para não se perder a fervura. De um jeito ou de outro, a cachaça é o acompanhamento ideal do prato (eles oferecem a de banana e a de gengibre). 

Após o almoço passeamos por Antonina, uma das mais antigas cidades do litoral do Paraná, e que me lembrou bastante Colônia do Sacramento no Uruguai.

A cidade é bem pequena e resume-se basicamente a uma praça, uma igreja matriz, casinhas coloridas e casinhas da época do Império super bem conservadas e o pier/ orla com vistas privilegiadas do mar e de Paranaguá.

O nome de Antonina é uma homenagem prestada ao Príncipe da Beira Dom António de Portugal em 1797. A cidade é histórica e tem paisagens deslumbrantes. Calçamento de pé de moleque e casas da época do Império com a famosa eira e beira que demonstrava que a pessoa tinha dinheiro (daí vem a expressão sem eira nem beira).

Outro detalhes das casa é o vidro do lado de fora da persiana, outro demontração de riqueza, pois os vidros na época eram todos importados e as pessoas queriam mostrá-lo para as outras. Na cidade existe um grupo de serenatas e cada casa participante tem sua melodia favorita estampada em uma placa na frente da casa.

O pier  e a Igreja Matriz rendem ótimas fotos da cidade e da orla. A cidade também é famosa pelo Carnaval de Rua e tem sua própria ‘Sapucaí’. Apesar de Morretes ser mais famosa achei Antonina muito mais charmosa e com um clima praiano super gostoso. Morretes também faz parte do passeio.

Restaurante Buganvil

Rua Valle Porto 127 | Centro, Antonina, Estado de Paraná 83370-000, Brasil Tel: +55 41 3432-1434