Américas · Belo Horizontes · Brasil · Estrada Real · Minas Gerais

Estrada Real: roteiro para percorrer o Caminho do Ouro do Brasil Colônia

Imagine-se no século XVI: cada rota aberta no Brasil durante o Brasil Colônia servia para facilitar o escoamento de ouro e diamantes para Portugal. Por isso, todos os caminhos eram “oficiais” ou seja “Estaradas Reais”. Esses caminhos também ajudacam no controle da Coroa Portuguesa sobre o ouro extraído e garantia a cobrança do imposto equivalente a 1/5 do valor de todo ouro encontrado. Daí a oriegm da expressao o quinto dos infernos. Como todo brasileiro espertinho, muitos escondiam o ouro dentro de estátuas ocas de Santos de Madeira na tentativa de pagar menos impostos, daí a origem da segunda expressao, o Santo do pau oco.

A Estrada Real tem mais 1500 km de extensao que recorrem várias cidades históricas entre Sao Paulo e Minas, muitas declaradas patrimônio da humanidade, e que retratam a história do Brasil, dos livros para a vida real.

Ela pode ser percorrida de carro, a pé ou de bicicleta. Hoje em dia, existe um projeto turístico que visa a revitalização dos trechos da estrada e das cidadezinhas históricas. Mais informações podem ser encontradas no Instituto Estrada Real que tem rotas pré planejadas para que você explore o trecho que mais lhe interessar da estrada, além de dicas de paragem e hospedagem.

Estrada Real entre Sao Paulo e Paraty

Antes a rotas ia de Ouro Preto a Paraty, mas hoje há outras variações como o Caminho dos Diamantes, Caminho Velho, Caminho Novo e Caminho do Sabarabuçu.

Fizemos o caminho de carro, alugado pela Rentalcars no aeroporto de Belo Horizonte. Escolhemos fazer uma parte do Caminho Velho, passando pelas cidades de Mariana, Ouro Preto, Congonhas, Entre Rios, Lagoa Dourada, Tiradentes e Paraty.

Belo Horizonte

Partimos de Belo Horizonte , depois de visitar a Inhotim, rumo a Ouro Preto (pela MG 443), a cidade mais importante do barroco mineiro e carro chefe do percurso.

Ouro Preto

Mas antes fizemos uma parada em Mariana, uma das maiores produtoras de ouro para a Coroa Portuguesa, para conhecer os famosos tapetes de fé.

Mariana e os tapetes de fé

Em seguida fomos em direção à Congonhas, cidade que abriga os 12 Profetas de Aleijadinho na Basílica do Bom Jesus dos Matosinhos.

Congonhas e os 12 profetas de Aleijadinho

Seguimos pela BR 383 em direção à Entre Rios, uma pequena vila da Estrada Real que abriga o Café com Prosa, ótima parada na hora do almoço, com comida mineira no fogão à lenha. Mas nossa intenção era outra: provar o famoso pão de queijo com linguiça de Minas. Eita, trem bão, sô! É um café de beira de estrada, mas há muita sinalização na estrada indicando o lugar.

Pao de queijo com linguiça do Cafe com Prosa em Entre Rios, Minas

A sobremesa ficou para a próxima parada – Lagoa Dourada – distante 30 km de Entre Rios é famosa pelo melhor rocambole do Brasil! Há muitas lojas oferecendo a iguaria, mas nós escolhemos o Rei do Rocambole e tenho que confessar: ma-ra-vi-lho-so!

Você pode comprar uma fatia e ainda levar meio rocambole ou inteiro para viagem! Não resistimos e sucumbimos ao de doce de leite com morangos…

Ainda na estrada possíveis paradas são as cidades de Coronel Xavier Chaves, famosa pelos engenhos de cana-de-açúcar que oferecem degustação de cachaças artesanais e Bichinhos, conhecida por produzir o melhor artesanato de Minas. Passamos batido pelas duas e fomos direto para Tiradentes, uma charmosa vila colonial, polo gastronômico e “point” da Estrada Real. Outra cidade próxima dali é São João del Rei com muitas construções coloniais.

Continuando pela estrada você sairá em Paraty, sede do mais importante porto exportador de ouro do Brasil. Fizemos Paraty em outra viagem, leia aqui, quatro meses depois, para completar o percurso da Estrada Real, mas se tiver mais tempo disponível, cerca de dez dias, você consegue fazer toda a rota de uma vez só.

Nós fizemos a primeira parte em 4 dias e a segunda também em outro feriado de 4 dias, pois ficamos mais dias curtindo a praia e os passeios de barco em Paraty.