Américas · Chile · Valparaíso

Chile: Valparaíso, a cidade dos elevadores

Aproveitamos nosso segundo dia na cidade para conhecer duas cidades litorâneas: Valparaíso e Viña del Mar. Contratamos um tour do Brasil mesmo, com a mesma agência que usamos no Atacama, a TurisTour e na hora marcada o micro ônibus passou no nosso hotel. Eu queria muito fazer esse tour com guia porque só tínamos um dia para as duas cidades então conheceríamos os principais pontos e ainda de quebra receberíamos todas as informações históricas do lugar. O nosso guia era tão divertido que até receitas típicas ele nos ensinou.

A paisagem do caminho é muito bonita e passamos pelo Valle de Casablanca, uma das mais importantes regiões vinículas do Chile, com vinhedos à beira da estrada. Fizemos uma parada para apreciar a vista e tirar milhares de fotos.

Nossa primeira parada foi em Valparaíso, uma cidade portuária dentre as mais antigas do Chile e cuja área histórica foi considerada Patrimônio Cultural da Humanidade pela UNESCO. Uma de suas características mais marcantes é a geografia repleta de ‘cerros’ ou morros à beira do mar.

Para subí-los há 15 elevadores, ou ascensores, espalhados pela cidade que são a marca registrada do lugar.

A cidade é meio bagunçada e antiga, mas ao mesmo tempo muito charmosa com seu porto e a Avenida Brasil que recebeu o nome em homenagem ao nosso país que doou todas as palmeiras plantadas ao longo do seu cumprimento. Mas, no geral, achei que parecia um grande cortiço, parecido com as casinhas de La Boca na Argentina. Várias casas coloridas e amontodas sobre os morros. Além disso achamos a cidade suja e mal cuidada e a maioria dos seus muros são totalmente pixados.

Chegamos na cidade pela Av. Brasil e fomos margeando a costa até o porto. Visitamos o Muelle Baron, um pier desativado que hoje é usados para shows.

Perto dali ficava o Ascensor Artilleria, um elevador que sobe até o mirante do Paseo 21 de Mayo. Ele foi construído em 1893 e está bem mal conservado então resolvemos subir o ‘cerro’ a pé até o mirante.

O mirante do Paseo 21 de Mayo, é o principal da cidade, e oferece uma vista panorâmica da cidade e do porto de Valparaíso. No mirante há muitos músicos e uma feirinha com várias barracas de artesanato e artigos de lã. Em frente fica o Museo Naval y Maritimo, que conta a história das grandes navegações chilenas.

De lá fomos para a Plaza Sotomayor que é a maior e principal da cidade e que ostenta o Monumento a los heroes de Iquique em homenagem aos participantes da batalha. No subterrâneo há um mausoleu com os corpos dos combatentes.

A praça é bem cheia de gente e também oferece vista ao porto. No centro havia um senhor com uma lhama tentando estorquir dinheiro dos turistas. Era só uma criança chegar perto para brincar com o animal que ele já cobrava os pais, era só você olhar para a lhama que ele já queria te cobrar.

Acredito que a cidade tenha um excelente potencial turistico, pois é muito interessante e diferente, mas precisa além de uma boa reforma, de ser mais bem cuidada. A primeira vista, ela parece abandonada. Em Valparaíso fica também a segunda casa do poeta Pablo Neruda, a La Sebastiana.

Deserto do Atacama · Dicas de Viagem

Como se vestir no Deserto

As temperaturas no deserto do Atacama variam bruscamente entre noite e dia e entre sol e sombra por isso é muito importante saber como se vestir no deserto. Enquanto que de dia as temperaturas podem chegar a 54ºC, no final da tarde já está uma média de 17ºC e à noite chega à 0ºC. E mesmo estando 40ºC no sol se você entrar na sombra já vai ficar com frio e se ficar lá parado vai ficar com muito frio.+

Além disso o Atacama é o deserto mais árido do mundo então pele, lábios, olhos e cabelos ficam extremanete ressecados. Nos passeios leve sempre uma garrafa de pelo menos 1,5l de água por pessoa (é o que os guias recomendam e se tivesse mais teríamos bebido porque o calor é muito forte) e na maioria dos lugares não há onde comprar. Na mochila do passeio não deixe de levar protetor labial, protetor solar, hidratante facial, rinosoro, colírio, chapéu, óculos de sol e blusa de frio.

Eu preferi ir de calça nos passeios porque de manhã, quando saíamos para os passeios é e também na volta fazia muito frio. O  ideal é usar aquelas calças com a perna destacável, blusa de calor ou camiseta e uma blusa de frio por cima.

Já para o passeio dos Geyser del Tatio em que a temperatura chega à -3ºC é preciso usar fleece ou polar e um casaco corta vento, além de luvas, cachecol e gorro e uma segunda pele ou legging por debaixo da calça.

Sapato fechado é essencial. Nada de sandália ou chinelos porque você vai andar sobre sal puro e terrenos muito arenosos, então um sapato que proteja os pés é essencial.

E não deixe de levar roupa de banho, pois muitos passeios oferecem piscinas naturais ou lagoas.

 

PLANEJANDO UMA VIAGEM PARA O ATACAMA?

  • Reserve seu hotel aqui no Atacama
  • Contrate seu seguro saúde para viajar aqui

 

Chile · Deserto do Atacama

San Pedro de Atacama | Dicas Básicas

Como chegar

A cidade mais próxima e ponto de partida para explora o deserto do Atacama é San Pedro do Atacama, um vilarejo de ruas sujas e casas de adobe, localizado a uma altitude de 2.400m entre o deserto e o altiplano boliviano. Oferece uma gama de restaurantes e alojamentos, com clima moderno e lotada de turista principalmente europeus e japoneses.

Para chegar à San Pedro é necessário partir de Santiago do Chile para Calama. Calama é a última cidade com aeroporto mais próxima do deserto. As melhores opções de vôo são com a LAN e a Sky Airline, que é uma empresa chilena, que faz vôos nacionais.

As passagens mais baratas são encontradas na Sky Airlines por cerca de R$300,00 ida e volta. A única dificuldade é que a loja online da empresa não funciona com cartões de crédito brasileiros e, portanto, é preciso ligar para o atendimento ao cliente e fazer a compra pelo telefone (37111 9367). Mas é simples e vale muito a pena, pois a passagem sai pela metade do preço. No blog Viaje na Viagem o Ricardo Freire fala da possibilidade de comprar a passagem por e-mail.

Como ir de Calama a San Pedro de Atacama

Em Calama é preciso pegar um transfer do aeroporto para San Pedro ou um táxi até a rodoviária e de lá um ônibus de turismo para a cidade.

Vans

Para as vans há guichês no saguão do aeroporto que oferecem os serviços, mas só para os primeiros vôos do dia. Quando nosso vôo chegou todas as vans já haviam saído e então pegamos um táxi até a rodoviária.

Ônibus

Os ônibus da Turbus são excelentes e a maioria tem dois andares. Tente comprar os lugares da primeira fileira do segundo andar. A vista é deslumbrante. A viagem dura cerca de 1h30min e as paisagens já anunciam o que o deserto tem a oferecer.

Câmbio

Outra dica é já chegar com dinheiro trocado porque não há casa de cãmbio no aeroporto, que é bem pequenininho, e os taxistas não aceitam dólares ou reais.

O que levar

Uma dica importantíssima é sobre a bagagem. Escolha bem o tipo de mala que vai levar e dê preferência à uma mochila ou mala pequena que você possa carregar.

As ruas da cidade não são asfaltadas ou são de paralelepípedo e, apesar de minúscula, o ônbus não para na porta do seu hotel e você vai ter que carregar suas coisas por umas duas ou três ruas – isso se ficar hospedado na cidade. Se ficar nos hotéis mais afastados, dê preferência à van, pois te deixará direto no hotel.

O clima do deserto é bem quente de dia sob o sol. Na sombra é fresco e às vezes frio e à noite pode chegar a zero graus. O sol é bem forte e queima mesmo, vale levar chapéu e protetor solar de alto fator de proteção.

Quando ir

O deserto pode ser visitado em qualquer época do ano. No entanto, se você pretende alugar um veículo 4 x 4 para viajar pelo altiplano e chegar até o Sala de Uyuni na Bolívia, entre os meses de dezembro e fevereiro, há chuvas fortes que destroem muitas estradas.

Chile · Santiago

Santiago | Pueblito Los Domenicos e Bairro Las Condes

No nosso primeiro dia em Santiago, depois de sobrevoar as cordilheiras dos Andes, deixamos as coisas no hostel e pegamos o metrô até o Pueblito Los Domenicos. Trata-se de uma aldeia de artesãos localizada no bairro de Las Condes aos pés da Cordilheira dos Andes. São mais de 150 lojas que vendem desde móveis e acessórios para a casa até jóias e esculturas de pedras preciosas.

Além disso é um ótimo lugar para comprar artesanato local e as famosas esculturas e moais da ilha de Pascoa.

A sensação ao cruzar os portões é de tranquilidade em meio a trabalhos de diversas escolas chilenas.

O povoado era originalmente uma fazenda cujos donos construíram uma igreja de cúpulas de cobre, chamada San Vicente Ferrer de Apoquindo em homenagem aos filhos mortos na infância.

Antes de morrer, o dono da fazenda, sem herdeiros, doou as terras à igreja dos domenicos e pediu que as terras fossem usadas para os camponeses. Surgiram então vários artesãos que deram origem à fama do lugar.

Depois do povoado seguimos pela avenida Apoquindo em direção ao Shopping Alto las Condes que é o maior e mais moderno da América do Sul.

Conta com mais de 200 lojas de famosas marcas internacionais como Topshop, Oscar de la Renta, Nike, Adidas, Zara, Ralph Lauren entre outras. E o preço é bem mais amigo do que no Brasil.

Pueblito Los Domenicos

Apoquindo 9085, Las Condes

Shopping Alto Las Condes

Av. Presidente Kennedy, 9001, Las Condes

Chile · Santiago

Natal Polinésio no Bali Hai em Santiago

Bali Hai é uma mistura casa de shows, restaurante e boate dentre as melhores e mais famosas de Santiago. Logo na entrada cinco moais gigantes nos dá boas vindas e no seu interior uma parede de corais, peças entalhadas em madeira e esculturas típicas da Ilha de Páscoa reproduzem o clima polinésio.

O ambiente é a meia luz e a cozinha é internacional. O forte do lugar são os frutos do mar, deliciosos e diferente dos que estamos acostumados já que as águas geladas do Pacífico abrigam espécies únicas. Já começamos bem com uma entrada exótica…

Para a ceia de Natal o menu é fixo e pudemos escolher a entrada, o prato principal e a sobremesa dentro de duas opções. O preço também é fixo por cabeça: ceia + show + bebida à vontade + balada = R$98,00 por pessoa.

No final da comilança as luzes se apagam, o som aumenta e as dançarinas polinésias sobem no palco. Os dançarinos tocam ritmos do Pacífico Sul e o show agita a galera. No final os dançarinos tiram os convidados para dançar e próximo à meia noite começa a contagem regressiva para o Natal. Depois das doze badaladas a festa adentra a madrugada.

É importante reservar uma mesa antes de ir porque o lugar sempre lota.

Bali Hai

Av. Cristobal Colón, 5246, Las Condes, Santiago.