Canadá · Dicas de Viagem · Estados Unidos · Nova York

Como se vestir no Inverno (com e sem neve)

Frio é relativo e isso é a mais pura verdade. Quando falamos em frio, devemos considerar que existem várias temperaturas de Inverno e também levar em consideraçao o clima da cidade em que você vive, que te vai deixar mais ou menos resistente para certas temperaturas do ano. Como regra geral, a ideia é sempre a mesma: vestir-se em camadas (a famosa cebola) e com tecidos tecnológicos/ adequados, assim se fizer mais ou menos frio você aumenta ou diminui o número das suas camadas.

Uma coisa é fato – o corpo vai se acostumando com o frio, se você chega de uma temperatura de 30ºC e cai em 5ºC já vai achar muito frio, agora se você está a vários dias em uma temperatura de -26ºC quando faz 5ºC você acha que está quentinho e já anda até sem luva. Eu por exemplo, depois de alguns anos vivendo en Barcelona, já nao acho 9 graus tao frio assim e de verdade, é que nessa temperatura uso camisa e blazer tranquilamente. Mas lembro que quando ia trabalhar de manha cedo no Brasil e fazia 13 graus eu estava toda encasacada, ou seja, o frio também depende muito do que você vivencia no seu dia a dia.

Portanto, conforme a sua maior ou menor resistência, você vai dosando a quantidade de roupas que te fazem sentir-se aquecido. No entanto, há algumas regras básicas a serem seguidas:

 

– Segunda Pele

O primeiro passo é comprar uma segunda pele de fleece (que é um tecido que segura a temperatura do corpo, corta o vento, mas ao mesmo tempo permite a transpiração. Mas atençao, compre com lycra, tipo legging senao suas roupas nao vao te servir ou você vai parecer um balao. A blusa térmica também, quanto mais justinha, menos volume.

E porque tem que ser de tecido tecnológico? Porque no frio você pode nao perceber, mas você sua. Seja de andar com toda aquela roupa para cima e para baixo, de sair do frio e entrar na calefação, entra no metrô abarrotado cheio de casacos e aí quando bate aquele vento no seu corpo suado, o seu suor congela e te deixa aquela sensaçao de mais frio. Esses tecido específicos permitem a “respiraçao do seu corpo” e nao deixam o suor acumulado dentro da roupa o que deixará sim bem mais quentinho.

Eu pessoalmente não gosto da legging de fleece porque depois de vários dias usando ela começa a machucar além de que as roupas às vezes ficam apertadas. Outra opçao que eu prefiro usar é o combo camiseta de manga longa de fleece + meia calça de fleece. Mas uma coisa vale ressaltar, eu nao uso essa roupa todo dia no inverno, quando estou na  minha vida “normal”, simplesmente porque nao fico o dia inteiro caminhando na rua. Chego no trabalho e corro do carro para dentro do escritório, ou corro do carro para o supermercado, e todos esses lugares tem calefaçao. Se eu me vestisse assim no dia a dia eu ficaria suando o dia todo. Essa combinaçao é para quando estou viajando ou passeando e sei que vou ficar muito tempo na rua.

 

-Pés

Nos pés, novamente, quando vou ficar batendo perna na rua, eu uso uma meia de algodão normal + meia térmica longa até o joelho (por cima da outra meia e que faz toda a diferença) + bota forrada. Tem que ser forrada? Para temperaturas muito baixas ajuda bem. Te que ser impermeável? Se você estiver visitando uma cidade que chove muito ou com neve tem que ser sim, senao seu pé molhará no primeiro minutos e nada os manterá quente.

Bota de couro + meia térmica em Edimburgo na Escócia em Dezembro

E o perigo nao é somente passar frio, o frio pode ser perigoso e seus dedos podem chegar a congelar, por isso muita atençao! Para ter uma ideia, botas de couro sem forro até 1ºC (sem chuva) com a meia térmica dá para aguentar, menos que isso eu indicaria uma bota forrada.

Bota impermeável e forrada em Mont Tremblant no Canadá em Dezembro (comprei na Marshalls em Toronto)

Se for fazer atividades ‘outdoor’ como esqui, raquetes de neve acrescente dentro das suas botas os foot warmers.

 

-Mãos

Nas mãos até -10º uma boa luva de couro forrada aguenta, menos que isso é preciso usar duas luvas: uma luva de fleece + luva térmica forrada e se tive neve tem que ser impermeável.

Luva de couro forrada e touch screen em Edimburgo na Escócia em Dezembro

Da mesma forma que com os pés, se for fazer atividades ‘outdoor’ adicione os hand warmers dentro das luvas, entre a de fleece e a térmica. Uma boa dica é comprar uma luva touch screen, para que você não precise ficar tirando a toda hora para usar a tela do celular ou tablet, mesmo que o “touch” nao dure muito tempo… ele acaba se degastando. Preste atençao com os novos modelos de Iphone que o botazinho de “on” precisa ler sua digital e, nesse caso, nao há outra soluçao que tirar a luva.

E nao é brincadeira nao. No Canadá, em Montreal, pegamos -37C e eu tirei a mao da luvar por uns 2 minutos para bater a foto de uma Igreja e da Pracinha. Os meus dedos congelaram de tal forma que eu mal podia aguentar a dor. Tive que entrar correndo na Igreja e colocar os dedos em cima do calefator e pouco a pouco a dor foi passando e os dedos voltando ao normal.

 

-Cabeça

Os ouvidos são uma parte do corpo bem sensível e usar um gorro ou chapéu de lã é fundamental no frio. Aliás uma dica é que as partes que devem estar quentinhas além do tronco, que concentra nossos órgaos, sao as extremidades, que por terem menos sangue, costuam esfriar com maior facilidade: maos, pés e cabeça (incluidas as orelhas).

Tampoes de orelha em Nova York em Dezembro

Se você for mais calorento ou não gostar de chapéus, você pode usar os ‘earcuffs’ que são aqueles fones de ouvido de pele que protegem somente os ouvidos ou uma faixa de fleece que muitas vezes esquenta mais que o próprio gorro.

Faixa de Fleece em Niagara Falls no Canadá em Janeiro

Para lugares muito frios (abaixo de 0ºC) considere usar um gorro forrado de pele e que cubra as orelhas.

Gorro forrado com “orelhas”

-Pescoço

Outro item fundamental é o cachecol que tem que ser de la (senao é mero enfeite) e quanto maior melhor, assim você além de dar várias voltas além de poder cobrir o rosto para proteger do vento.

Cachecol grande de la em Nova York em Dezembro

Uma peça que eu gosto muito de usar é o ‘thermal polar neck top’ ou uma pescoceira polar embaixo do cachecol para não ter que ficar segurando o cacheco na frente do rosto o tempo todo e congelando as mãos. Isso em lugares bem frios quando peguei -26ºC. Enquanto o rosto fica quentinho as mão estão escondidas dentro do bolso. Vende na Decathlon super baratinho, por cerca de 5 euros.

Dá para ver a pescoceira mais alta que o meu cachecol preto em Toronto no Canadá em Janeiro

Essa peça é ideal para que vai esquiar ou fazer atividades de neve porque não há perigo de enroscar. Muitas pessoas usam a balaclava (aquela meia que veste o rosto como as que os motoqueiros usam) para praticar esportes.

 

-Parte superior do Corpo 

A primeira peça que eu coloco é uma camisetinha de algodão (manga curta) para proteger o corpo. Em cima coloco a segunda pele de fleece (manga longa). Depois coloco uma blusa cacharrel de lã. Essa é a base. Se estiver muito frio coloco por cima da base uma blusa de fleece polar (mais grossa) – de 200 a 700.

Blusa de fleece com zíper por debaixo do casaco e uma de lá merino por debaixo dela em Busapeste, Hungria

Por cima de tudo casaco de pena de ganso (se estiver chovendo ou nevando) ou casaco de lã forrado (sem neve ou chuva). O casaco de lá molha e os de pena de ganso são impermeáveis.

Casaco de la em Dezembro Varsóvia na Polonia

 

*Casaco

Aí vem o casaco. Essa é uma peça que você vai ter que investir um dinheirinho, mas te digo que não é tão caro quanto dizem e vai durar alguns anos. Mas não compre no Brasil porque vai sair muito mais caro. Como sempre o lugar mais barato para comprar é nos Outlets dos Estados Unidos.

Há dois tipos básicos – os forrados com pena de ganso e os de lã:

Casaco de pena de ganso impermeável para lugares com neve, e se tive gorro e chover, coloco por cima do gorrinho. Bratislava na Eslováquia em Dezembro.

 

Casaco de la, o dia está nevado, mas nao estou brincando na neve e nem está nevando em Janeiro em Quebec no Canadá.

**Penas de Ganso (ou Down)

Os de pena de ganso são bem mais quentes e geralmente impermeáveis, mas preste atenção na etiqueta – quanto maior a concentração de pena de ganso ou ‘Down’ em inglês melhor. O resto vai ser algodao e nao esquenta muito. Se o casaco ainda tiver um forro de la ou flanela, perfeito!

Casaco de pena de ganso que já vem com pescoceira, dispensei cachecol. Em Dezembro em Nova York.

Outra coisa se prestar atençao é a qualidade da pena do recheio. Ela deve ser a pena interior localizada no peito do animal, esse é o down ou plumón em espanhol. A capa externa de penas nao esquenta muito, é mais para proteçao. Por isso preste atençao na etiqueta, os casacos de plumón esquetam muito mais e geralmente sao um pouco mais caros.

A concentração de plumas deve ser de 80-90% para que o casaco seja bom. Comprei meus dois casacos de pena de ganso impermeáveis na Calvin Klein, no Jersey Gardens de Nova York por cerca de US$60 cada em pleno inverno!

**Lã

Os casacos de lã também aguentam bem, mas em geral não são impermeáveis, então se nevou, molhou e aí você vai ficar congelada. Use quando o tempo estiver firme. Da mesma forma que com as penas de ganso, preste atenção na etiqueta e veja se o casaco tem uma alta concentração de lã 80-90% assim saberá que ele esquentará bem.

Blusa de la + casaco de la + chapéu de la, o cachecol aí é puro charme porque nao esquenta, em Paris em Março.

Se estiver muito frio e você não tiver o casaco de pena de ganso ou a ocasião exigir um pouco mais de elegância (os de pena de ganso são bem esportes) você pode usar por debaixo do casaco de lã um colete de fleece ou um casaco de couro com um colete de pele como usei na Bélgica.

blusa de la + casaco de couro + colete de pele fake em Bruxelas na Bélgica em Março.

 

-Parte Inferior do Corpo

As pernas são a parte do corpo que passam mais frio porque não dá para cobrir tanto. Eu uso meia calça de fleece + calça jeans (que é mais quente). Funciona bem. Não esqueça que a meia térmica vem por cima da calça até o joelho + bota forrada.

legging térmica + meia térmica + calça jean + botas de couro em Amsterdam em Março

Se você for muito friorenta, ou se realmente as temperaturas estiverem negativas você pode comprar uma jaqueta de pena de ganso comprida para que cubra as pernas. Vi várias pessoas usando no Canadá, eu não gosto muito, mas pelo menos elas não estavam passando frio.

 

-Melhores Marcas

Para casacos de lã e pena de ganso eu gosto muito da Calvin Klein, Burberry e Uniqlo que aliam a tecnologia dos tecidos e continuam sendo charmosos.

Casaco de Fleece em Nova York em Dezembro.

As marcas mais esportivas e que também tem tecidos tecnológicos (fleece, térmicos) com o melhor custo/ benefício são as roupas da The North Face, Salomon, Quéchua e Oakley. Nelas você encontra tudo o que precisa: luvas, gorros, termal neck top, meias térmicas segunda pele, hand/ foot warmers e vários outros itens e nos EUA é bem barato.

Para botas de trekking eu gosto da Salomon e de neve da Sorel, que é uma marca canadense e tem botas impermeáveis e/ ou de neve potentes e com ótimo preço.

Bota forrada Impermeável em Mont Tremblant no Canadá em Dezembro

 

Américas · Canadá · Quebec

Roteiro de 2 dias em Quebec: La Citadelle, Chateau Frontenac, Old Quebec

Quebec foi a primeira cidade francesa das Américas e foi disputada arduamente por ingleses e franceses. Mesmo com a dominação inglesa, eles não conseguiram impor sua cultura e a língua oficial até hoje é o francês e eles tem orgulho disso. Foi uma das mais importantes da época colonial e mantém até hoje sua antiga muralha.

A cidade é bem compacta e fácil de ser explorada a pé. Nosso hotel ficava ao lado do Chateau Frontenac, cartão postal da cidade. Ele foi construído em 1893 pela Canadian Pacific Railway com o objetivo de trazer mais turistas para a região e por consequência mais passageiros para o trem. Ele tem mais de 650 quartos e no último andar abriga um observatório da cidade.

Hospedar-se por lá não é impossível não. As diárias estão por volta de R$400 e ele tem pacotes especiais para o Ano Novo também. Mas se não estiver hospedado, o hotel é aberto à visitação e inclusive tem várias lojas e um Starbucks.

Em frente fica a Place Royale e o antigo porto da cidade que é um charme e uma volta ao passado.

Bem ao lado do hotel há uma promenade suspensa com vista para o Rio São Lourenço.

Essa é a cidade alta, onde fica a maior parte da cidade histórica e no inverno é construída uma pista para trenós que são alguma ados e são a maior diversão!

A partir dessa plataforma é possível tomar o funicular que leva para a cidade baixa.

Na parte baixa seguimos pela rua Petit Champlain e Rue Sus le Fort onde começa a parte “fofa” da cidade.

Essa área se chama Quatier Petit Champlain e sua característica principal é o seu estilo de “vila”, com casinhas charmosas, ruas estreitas e de pedra.

É uma das áreas mais turísticas da cidade, portranto nao faltam lojinhas, botiques, confeitarias e restaurantes. Caminahndo pela Rua Saint-Louis que depois vira a avenida Grand Allee, a principal da cidade está a Citadelle que é parte da Fortaleza da cidade, designado patrimônio mundial em 1985. Os canhões fazem parte da defesa da cidade e a vista lá de cima é igualmente bela.

Continuando na mesma rua, agora avenida Grand Allee, vem o Champs-de-Bataille, nas Plaines d’Abraham, onde está o Musée national des beaux-arts du Québec. A área é histórica e abrigou uma batalha de mesmo nome. Nas Plaines d’Abraham há um rink de patinação que fica lotado nos finais de semana.

O BattleFields Park, fica no mesmo local, e nessa época do ano oferece muitas atividades e esportes de inverno como patinação, snowshoeing, skiing e cross-country skiing no Jardim de Joana d’Arc que no verão é extremamente florido.

Caminhamos até a Rue Saint-Jean onde fica o Saint-Jean Gate que é a entrada da cidade murada ou Cidade Antiga e dá para ver direitinho ao longo da muralha.

Mais a frente fica a Place de l’Assemblée-Nationale, o Hotel du Parlement e a Fontaine de Tourny onde entre final de janeiro e início de fevereiro acontece o Carnaval de Quebec.

Américas · Canadá · Montreal

Montreal | Old Montreal, Notre Dame e Le Plateau Mont-Royal

Montreal é a maior cidade da província de Quebec e a segunda maior cidade francófona do mundo, só perde para Paris. Seu nome é uma derivaçao de Mont-Royal que é um monte localizado no centro da cidade. Nós ficamos por lá 2 dias e 2 noites e acho que é o mínimo para conhecer um pouquinho de tudo.

A parte mais bonita da cidade, na minha opinião, é a Old Montreal, ou a cidade antiga. E foi por lá que começamos nosso passeio na Basílica de Notre Dame.

 

Como toda cidade francesa no mundo, Montreal também tem uma Notre Dame para chamar de sua. Por fora ela é bem mais simples que a de Paris, mas tenho que dizer que por dentro me impressionou bem mais.

Há tour guiados gratuitos em Inglês e Francês de hora em hora (que fizemos) onde é contada um pouco da história da cidade e da igreja. A basílica atual foi contruída ‘em cima’ da antiga que sofreu um incêndio criminoso e por ter sido ‘decorada’ quase que totalmente por madeira não resistiu.

 

Na parte de trás há uma pequena capela toda entalhada de madeira onde são realizadas a maioria das missas e onde se casou Celine Dión que é um verdadeiro orgulho para a cidade. A fim de evitar um novo incêndio as paredes da capela são molhadas diariamente pelo corpo de bombeiros.

Em frente fica a Place d’Armes com a estátua de Paul de Chomedey, o fundador da cidade.

 

Ali começa a Cidade Antiga com edifícios da colonizaçao francesa.  Nos perdemos pelas ruazinhas que são um charme a parte e quando esfriava muito, dávamos uma passada em algum café ou lojinha.

Para o Porto Antigo é um pulo. É uma promenade longuíssima ao logo do Rio Sao Francisco, assim como em Quebec. No verao há muitos festivais e Food Trucks por ali. Paramos no Museu de Ciêncas onde tem um cinema incrível e para quem está com crianças é um programa legal.

De lá fomos para o Le Plateau Mont-Royal que é o bairro ‘cool’ de Montreal onde ficam as descoladas Rue Sainte-Catherine, Rue Saint-Denis e a Rue Peel que são as mais badalada da cidade com muitas lojas, bares e restaurantes. À noite, todo mundo vai para lá, pois ali fica o “distrito dos teatros” com muitos espetáculos e shows; é só entrar no site dos teatros aqui para ver a programaçao.

Visitamos o Eaton Center, o mesmo shopping subterrâneo que há em Toronto, mas em versão compacta e bem sem graça pra falar a verdade que até esqueci de tirar fotos, massss o Eaton Center é uma das portas de entrada para o RESO que é a cidade subterrânea de Montreal com mais de 32 km de extensao e 2.000 lojas! Execelente para fazer compras, prinicpalmente no inverno!

RESO, rede subterranea de Montreal

E quando a fome bateu uma coisa eu sabia – queria comer ‘poutine’ o prato típico da cidade composto por carne, batata frita, queijo ralado e molho ‘gravy’. Uma amiga nossa que mora lá nos indicou o ‘Poutineville’  (1365 Ontario Est, Montréal, Québec) como o melhor restuarante de poutines da cidade. E lá fomos nós.

 

Além do poutine original, eles tinham outras versões com filé mignon deliciosas. Recomendo!

Montreal foi a cidade mais fria pela qual passamos, com temperaturas de -27 durante o dia e -37 durante a noite.

E essa noite estava especialmente fria, chegando a criar gelo nos cílios. Foram as cinco quadras mais longas ‘ever’ para voltar para o hotel que decidimos pegar um ônibus quentinho com calefaçao só para descer uma rua e voltar!

 

 

Bem próximo dali ficam o Parc Mont Royal, o Parc Olympique e a Biosphere (um museu do meio ambiente dentro do Parque Jean Drapeau) que dizem ser imperdíveis, mas como estava -30ºC nesse dia não queríamos lugares abertos e deixamos para a próxima vez que voltarmos.

Américas · Canadá · Mont Tremblant · Montreal · Niagara Falls · Quebec · Toronto

Como tirar visto de turismo para o Canadá

Tirar o visto para o Canadá é fácil, mas ao mesmo tempo trabalhoso. O site até é bem explicativo, mas não diz exatamente todos os formulários que devem ser preenchidos.

O Consulado fica no Centro Empresarial Nações Unidas – Torre Norte e aproveitando um dia em que estava fazendo treinamento do mesmo edifício fui lá buscar informações e o atendente me disse para procurar no site (!?).

Tudo bem, voltei ao site, quebrei a cabeça, conversei com alguns colegas do trabalho que já tinham tirado o visto, aliás aqui no meu trabalho ir ao Canadá está uma febre.

Não sei se quando estamos planejando ir a um certo lugar começamos a prestar mais atenção nele, mas toda vez que escolho um lugar para visitar, ele rapidamente entra em evidência, ou será que eu começo a prestar mais atenção à ele?

Bom, voltando ao que interessa, abaixo segue passo a passo e a lista de documentos necessários:

  • Application for Temporary Visa;
  • Family Information;
  • Questionário Informações Adicionais;
  • Termo de Consentimento e uso para residents no Brasil para serviços da VFS Global Services Brazil;
  • Use of Representative (se você não for entregar os documentos pessoalmente);
  • Passaporte válido;
  • Foto 30mm x 50mm;
  • Prova de recursos financeiros. Exemplo: último imposto de renda com o recibo de entrega, os três últimos holerites, contrato social, e extratos bancários;
    Cópia da passagem aérea.

Todos os documentos podem ser baixados do site do Consulado. Os documento 4 e 5 tive que caçar pelo site e podem ser baixados aqui. Nao esqueça de baixar o guia do Consulado aqui que explica direitonho tudo o que você deve fazer.

O documento 1 (Application for Temporary Visa) é o único que precisa ser preenchido no computador. O PDF permite edição e assim que você salvar o arquivo ele vai gerar um código de barras no próprio documento.

É nesse formulário que você vai escolher o visto de entrada única ou de múltipla. O de entrada única permite que você entre no país uma única vez. A exceção é que se voce vai viajar para os EUA voce pode usar esse visto para entrar e sair várias vezes do Canadá durante a validade do mesmo. Se vier de outro país que não seja os EUA, aí você vai precisar do visto de múltiplas entradas.

Com tudo isso reunido basta pagar a taxa no Banco e entregar no Consulado (isso significa pagar no VAC – Visa Application Center, uma das opçoes disponíveis) de segunda à quinta-feira, das 09:30 as 11:00 horas da manhã. O valor varia se você se dicidir por visto de entrada única ou múltipla. Hoje já dá para aplicar online, veja aqui.

Lá também é preciso pagar mais uma taxa de R$65,00 e só aceitam cartão.

Em alguns dias, o consulado envia um link para acompanhamento online da solicitação. Mais informações devem ser consultadas no site do Consulado.

 

Agora a partir de 31 de julho de 2018 os brasileiros que já tiveram um visto do Canadá nos últimos 10 anos ou tem um visto de nao imigrante dos EUA podem fazer todos o proceso online (eTA – electronic travel authorization) que é muito mais simples e custa somente 7 Euros!

 

Consulado do Canadá em Sao Paulo

Av. das Nações Unidas, 12.901, 16º andar – Brooklin
Centro Empresarial Nações Unidas – Torre Norte
São Paulo – SP – Brasil
Tel.: +55 (11) 5509.4343
Fax.: +55 (11) 5509.4262
E-mails: saopaulo-im-enquiry@international.gc.ca