Américas · Barra do Una · Brasil · São Paulo

Barra do Una na Reserva da Juréia

A Estação Ecológica de Juréia-Itatins é uma unidade de conservação brasileira de proteção à natureza localizada no litoral sul paulista, com território distribuído pelos municípios de Iguape, Miracatu, Itariri, Pedro de Toledo e Peruíbe.

A dificuldade do acesso preservou a região que permanece intocada ao longo dos 50km de litoral e mantém ainda todos os animais silvestres característicos, além da beleza indescritível. Imaginem que no meio da estrada pulou um sapo no capô do carro!

Escolhemos a Barra do Una, de última hora, porque queríamos um lugar sossegado para descansar e essa viagem acabou sendo incrível. Saímos na sexta à noite direto do trabalho para lá em um trajeto de 128km.

-Como chegar

Chegando ao centro de Peruíbe são 30 km até Barra do Una. Siga pela Avenida Padre Anchieta até a serrinha do Guaraúna. Vá por ela até a entrada da Reserva onde ela vira Estrada do Una. A partir daí são 18 km em estrada de terra que leva cerca de 40 minutos. No total levamos 1 hora do Centro de Peruíbe até lá. Mas vale muito a pena.

No meio do caminho entre Guaraú e Una, se estiver viajando de dia, a 25 km do centro de Peruíbe, está a Cachoeira do Paraíso, no interior da Estação Ecológica Juréia-Itatins. É famosa pelo Tobogã do Paraíso, que se forma no rio Itinguçu. Sua queda d´água tem seis metros de altura e é bastante visitada. As proximidades ficam abarrotadas, nem se compara com a paz e tranquilidade da Barra do Una. Nao estávamos no clima.

Mas se quiser ir, programe-se, porque o acesso à cachoeira é limitado a 270 pessoas por dia. Os ingressos são distribuídos por ordem de chegada no Portal da Base Operacional de Pereque no km 13 da Estrada do Una. Os ingressos muitas vezes acabam às 10h.

Depois de dirigir uns 15km da Estrada Guarau-Una, haverá uma bifurcação. À esquerda você segue para Barra do Una, à direita é o caminho que leva até a área do Estacionamento de onde parte a trilha de 250 km que leva à cachoeira.

Continuando na Estrada do Una, lá pelo km 18, chegamos ao nosso destino. A cidadezinha é bem ‘roots’, cheio de campings um do lado do outro, uma mini pousada e uma praia maravilhosa.

– Hospedagem/ Camping

Estamos super na onda de acampar e estamos adorando! Foi nosso primeira experiência e nos saímos super bem. Não vemos a hora de repetir.

Nós ficamos no Camping do Péder que é pé na areia (a 100m da praia) e super tranquilo, pelo menos na época em que fomos, dizem que no Carnaval e Ano Novo o clima é mais agitado e que rola até ‘rave’ na praia, mas fora dessa época o lugar é bem família. Entre o camping e a praia tem até ducha de água doce.

O Camping é bem grandinho, acho que cabem umas 40 barracas, com eletricidade, banheiros com chuveiro quente e uma lanchonete que serve porções de peixe, batatas fritas e camarões (a melhor e mais fresca que já comi na vida!). E a sensação foi que acordamos com um coelhinho fofíssimo em frente à nossa barraca. Coisas que Mastercard não paga…

– A Praia

A praia, quase deserta, é linda, cercada pela floresta tropical, com água cristalina e quentinha e um costão rochoso de babar.

Uma imensidade de siris correm pelas areias e o nascer do sol no mar é imperdível! Acordamos às 5:30 para fotografar o coelhinho e aproveitamos para tirar muitas fotos na praia.

A rotina foi aquela dureza: acordar, ir pra praia, domir e comer!

– Onde Comer

Na Vila do Una! Único povoado da região e que a poucos metros dos Camping.

Nós levamos nossa churrasqueira e carvão então na hora do almoço compramos peixes fresquinho para assar na Peixaria do Prado. Um manjar dos deuses, nunca comi peixes tão gostosos, muito diferente dos ‘frescos’ que compramos no supermercado. Eles também vendem siris, então se você levar um fogareiro consegue cozinhá-los no molho. Segundo a esposa do Sr. Prado é assim que se faz, na churrasqueira ficaria esturricado. Ok, não compramos.

Saí com tamanha vontade que se eu tivesse um filho nasceria com cara de siri, mas rapidamente avistei um restaurante ao lado (sem nome), mas com uma placa ‘carangueijo no molho’. Voltamos à noite e foi ‘a’ experiência, machadinhas em punho jogamos casca e molho por todos os lados. Imperdível!!

Para o Café da manhã duas opções: O Restaurante da Tia Creuza e Bar do Walter.

Esqueceu alguma coisa? Papel higiênico, carvão, álcool, gelo, molho…. Tia Creuza ou Bar do Walter. Aliás, gelo por lá é artigo de luxo. No camping eles vendem o saco ‘mais profissional’ por R$15,00. A Tia Creuza ou o Sr. Walter vendem a caixinha de leite ou a garrafa PET congeladas por R$ 2,00 e R$3,00.