Argentina · Buenos Aires

Buenos Aires: Freddo x Persicco

A coisa que eu mais comi na Argentina não foi carne, mas sorvete! E olha que eu não sou muito chegada no doce, mas ir à BsAs para mim, significa me afundar no Freddo.

Fachada de uma das Sorveterias

Em cada canto há uma Sorveteria “Freddo” (de 10 a 20 pesos), sabores e texturas ótimas, dignas de um Häagen-Dazs.

Peça um copinho ou escolha um “cucurucho” (casquinha). Os meus sabores favoritos são Frutos del Bosque (levei 2 anos, mas descobri que a La Basque faz este sabor no Brasil – Iogurte com Arándanos – é igulazinho), Chocolate Freddo (com avelãs), Chocolate Suiço (con dulce de leche e pedacinhos de chocolate) e o imbatível Dulce de Leche (não existe igual).

Copinho de Dulce de Leche

 

Atualmente, a nova onda portenha é ir à sorveteria Persicco e não mais ao Freddo, umas das “heladerias” mais famosas do país. 

Persicco - mais bonita, mesma qualidade

As lojas são mais bonitas, mas o sorvete é praticamente o mesmo. Os sabores campeões são: o Mascarpone com frutas vermelhas, o de Banana (imperdível), Manga e Durazno-naranja. Como você pode perceber, os sabores da Persicco são mais elaborados, os do Ferddo, mais tradicionais.

Frutas Vermelhas, Banana, Manga e Durazno-Naranja

Os donos do Persicco são descendentes dos fundadores do Freddo. Em 1999, o Freddo, que era um negócio familiar, foi transferido para um grupo multinacional. Foi criada, então, uma cláusula que impedia que a família entrasse no ramo de sorvetes por 60 meses.

Sorveteria Persicco

No ano passado, foi aberto o Persicco. Provocação ou não pela queda da qualidade do sorvete do Freddo, no menu do novo concorrente está escrito: “porque o sorvete tinha de voltar a ser rico”.

Para ter idéia da realeza do sorvete, o paladar dos convidados no casamento do príncipe de Astúrias, Felipe de Borbon, com a jornalista Letizia Ortiz foi adocicado com o gelado argentino. Chique, né?

Sorvetes Persicco em Casamento de Gala

Persicco – Em Palermo: Salguero 2.591; em Caballito: Rivadavia 4.933; em Belgrano: Migueletes 868; Freddo: av. Callao 1.410.

Argentina · Buenos Aires

Buenos Aires | Roteiro pela Calle Florida

Após chegarmos ao hotel fomos dar uma volta pelo centro. Estávamos próximo à Plaza San Martín e à Calle Florida, por onde começamos a nossa caminhada. Todos dizem que o couro é mais barato na Argentina, mas todas as vezes que fui, achei o mesmo preço que aqui, apesar da desvalorização do peso.

Um casal amigo nosso, outro dia, mostrou duas jaquetas que haviam sido compradas em uma galeria na Florida ao lado do Mc Donalds por US$100 as duas (e eram bonitas) Fica aí a dica para quem for. 🙂

A Plaza San Martín é uma das maiores e mais belas praças de Buenos Aires. Fizemos uma pausa para observar o vai e vem dos executivos que trabalham nos prédios modernos de Retiro. Como era verão, muita gente estava tomando sol e fazendo piquenique.

Em frente fica a Torre de los Ingleses, contruída de tijolos vermelhos e que foi doada ao país por residentes britânicos em comemoração ao centenário da Revolução de Maio de 1810.

Em seguida caminhamos até a calle Florida. Já havia passado a hora do almoço, portanto fomos direto ao  Café Richmond (Florida 468, Centro). É um café clássico da Buenos Aires dos anos 50, decorado com poltronas de couro, colunas, vidros e espelhos. No subsolo funciona um salão de jogos. Pedimos um típico empanado de pollo con papas fritas (a pechuga, ou filé de peito de frango, vem com a antecoxa junto. Atenção para quem não é fã.)e ficamos observando o lugar. A caixa registradora é de 1916.

Na saída tomamos um sorvete no Freddo, recomendo o de arándanos e claro o de “dulce de leche”. Há também o Freddíssimo, de chocolate com avelãs…hum. Atualmente, a nova onda portenha é ir à sorveteria Persicco (dos filhos do fundador do Freddo). Há sabores tradicionais mesclados a novidades, como o doce de leite caseiro com brownie, o mascarpone e o chocolate com cereais banhados em chocolate branco. Uma delícia, mas prepare-se para a fila.

Passeamos também pela peatonal. A Calle Florida é a rua de pedestres por excelência de Buenos Aires, obrigatória para qualquer visitante. O forte aqui são os artigos em couro e peles (comentado anteriormente). 🙂

Visitamos as Galerias Pacífico (Florida e Av. Córdoba, Centro). Este edifício da belle époque portenha funcionava antigamente como galeria de arte e é hoje o shopping mais procurado pelos turistas. Bonito por fora e por dentro, suas paredes e cúpulas foram pinceladas por importantes artistas argentinos. Quanto às lojas estão incluídos nomes como Cacharel e Yves Saint Laurent. Destaque também para as várias casas especializadas em artigos de couro (novamente).

Na volta, paramos na livraria El Ateneo.Na hora pensei que tinha conhecido a tal livraria linda que todo mundo comentava. Engano meu. Descobri alguns dias depois que eu havia me enganado de livraria! Eu havia passado pelo “El Ateneo” da calle Florida (que também é bonita, mas nem se compara com a outra!) Foi em um dos meus despretensiosos passeios pela cidade que descobri que a outra livraria é que fica na Avenida Santa Fé, no nº 1860, conhecida sem qualquer exagero como “El Ateneo Grand Splendid” e que foi recentemente eleita pelo The Guardiana segunda livraria mais linda do mundo! Por isso que eu achei a primeira tão “simplezinha”. 🙂

Antes de chegarmos ao hotel, avistei essa camisa do Maradona, mas fui proibida de comprá-la…