Asia · Fatehpur Sikri · India

Fatehpur Sikri, a cidade perdida da India

Fatehpur Sikri é uma antiga cidade erigida pelo imperador mongol Akbar, entre 1571 e 1585, o avô de Shah Jahan I, o construtor do Taj Mahal a 35 km de Agra. É incrível ir percebendo, a medida que aprendemos um pouco mais da história da Índia como tudo está interligado ao longo dos anos e como sao sempre os mesmos que detêm o poder.

Na metade do século XVI, a área onde fica Fatehpur Sikri fazia parte do Império Mogol e foi escolhida pelo Imperador Akbar para ser capital do seu império. Isso se deve ao fato de que ele nao conseguia ter filhos e lhe foi prometido pelo Deuses, que se ele se isolasse por 10 anos no meio do deserto, esse seu desejo seria concebido. E foi. Logo depois da construçao da cidade seu filho nasceu. A cidade levou 15 anos para ser construída, mas o lugar nao contava com poços de água e foi abandonada logo depois da morte do Imperador, 14 anos depois da sua construçao.

A zona civil de Fatehpur Sikri era utilizada por Akbar como residencia e como edifícios oficiais onde o imperador recebia extrangeiros e se reunia com seus conselheiros. Para chegar aré lá basta pegar um ônibuzinho que custa 10 rupias bem na entrada do complexo e que te deixa na porta de entrada da cidade.

O Palácio de Jodh Bai é o maior de todos os palácios de Fatehpur Sikri e é o primeiro que se avista ao entrar na cidade. Formava parte do harém e era a residência da princesa imperial Mariam-uz-Zamani. Sua arquitetura é uma mezcla do estilo hindu das colunas (em homenagem à ela que era indiana), islâmico das cúpulas e persa do azul das telhas.

No entanto o Imperador tinha mais duas esposas, uma crista e outra muçulmana e por isso era conhecido como um monarca tolerante e que respeitava todas a religioes. Mas na verdade, dizem que o que ele quria mesmo era entender todas as religioes para planejar bem suas táticas de guerra. O palácio da sua esposa crista se chamava casa de Maryam e diz a lenda que ela era de origem portuguesa nascida em Goa.

Palácio da Esposa Muçulmana

No centor de tudo ficava o Palácio do Imperador, o Panch Mahal, um edifício de cinco andares que diferem de tamanho um do outro, diminuindo a medida que se sobre assim como o número de colunas também. Era adornado por celosias, as famosas janelinhas que permitiam que as mulheres reais espiassem tudo o que estava acontecendo do lado de fora sem serem vistas.

Panch Mahal

Bem em frente fica uma espécie de tabuleiro de xadrez que o imperador costumava jogar usando suas esposas e comcubinas nuas como peças! Ele era muito conhecido também pelas festas que dava e pelos músicos que trazia.

Diwan-i-Khas

A sala de audiências privadas Diwan-i-Khas é outro destaque. A forma com que ele falava com seus conselheiros é bem curiosa: ele se sentava no alto de uma coluna central da qual saiam quatro pontes que chegam a cada uma das quatro esquinas do edifício, onde se sentavam seus conselheiros. Incrível a altura em que se sentavam.

Logo mais a frente está o quarto do imperador com vistas a uma piscina ornamental da qual se pode subir ao quarto.

Elevador de esposas para que uma nao visse a outra e nao soubesse com quem o Imperador estava.

Próximo dali outros pequenos templos e salinhas de pintura e oraçao tem decoraçoes incríveis.

Apesar de conhecido pela sua tolerância religiosa, a única construçao religiosa de Fatehpur Sikri é a Mesquita Jama.  A mesquita fica do outro lado da cidade e se pode ver de longe desde a saída da cidade.

Depois de passar por Fatehpur Sikri voltamos à estrada NH-11, que une Agra a Jaipur para conhecer Abhaneri e visitar o seu famoso baori ou poço escalonado, Chandi Baori e seu o Templo de Harshat Mata.

Abhaneri tem esse nome por conta de uma lenda local em que a deusa Harshat Mata que teria aparecido na região rodeada por um fulgurante resplandor (abha) que mais tarde daria o nome à vila.

Um baori é um poço escalonado construído em forma de pirâmide invertida com o objetivo de recolher água da chuva. Também serviam como lugar de relax e de rituais, e por isso está conectado com o Templo Harshat Mata que fica em frente. Não há outro lugar fora da Índia onde os poços hajan sido construídos de forma tão espetacular.

O Chandi Baori tem mais de 3500 degraus que permtiam o acesso à água e foi provavelmente construído no ano 800 d.C. a mando do rei Chand da dinastia Chahamana. Essa estrutura em forma triangular facilitava recolher a maior quantidade possível de água durante a época das monções. Além disso, seus 20 metros de profundidade permitiam que a parte mais funda do poço se mantivesse mais fresca, e, por consequência, a água se conservava por mais tempo. Também era um ótimo lugar para se fugir do calor da região.

Ele está adornado por vários santuários a Ganesha (deus da ciência, da sabedoria e das artes), um dos mais importantes da religião hindu, caracterizado por cabeça de elefante e corpo de homem. Suas colunas são ricamente esculpidas com elefantes e, portanto, se supõe, que ali ficava o Rei durante os rituais antes de seguir para o Templo Harshat Mata que fica bem em frente.

O Templo Harshat Mata, foi construído em arquitetura hindu medieval no século IX, em homenagem à deusa Harshat, deusa da alegria e da felicidade. Ele é formado por três terraças unidas por escadas e a estátua da deusa fica bem no meio do templo. Uma vez ao ano se organiza um festival de três dias em sua homenagem.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s